Degustação: Top's da Patagônia

Quem me conhece sabe que sou fã dos vinhos da Patagônia, foram os Pinot´s de lá que me encantaram e me fizeram querer conhecer cada vez mais.

Quando a ABS-Campinas promoveu uma viagem a Patagônia em fevereiro lamentei muito não poder acompanhar, mas fazer o que? Asssalariado não tira férias sempre que deseja.

Bom, mas no início de junho a mesma ABS promoveu uma degustação dos vinhos TOP das vinícolas visitadas, essa eu não podería perder de forma nenhuma. Como sempre foram seis vinhos, vamos a eles!

A noite começou com o Colección NQN, da Bodega NQN, um corte de Malbec (50%), Merlot (30%) e Cabernet Sauvignon (20%). Um vinho de intensa cor rubí violácea, aromas de frutas vermelhas maduras, especiarias, herbáceos com evolução para tostado, baunilha e caramelo, sem dúvida a complexidade aromática chamou a atenção. Na boca o vinho "ataca" com boa acidez e bom corpo. De elevada carga tânica, estes taninos apesar de bons podem amadurecer um pouco mais. Leve amargor e sobra de álcool. Final frutado e de boa persistência. Decante antes de beber e guarde por mais uns três anos.

Seguimos com a Família Schroeder, que apresentou seu vinho de mesmo nome, um interessante corte de Pinot Noir (54%) e Malbec (46%). Também intenso na cor rubí violácea e nos aromas como o primeiro. Porém apresentou ao nariz as frutas vermelhas mais frescas, florais e especiarias, ao final da degustação surgiram notas de couro e terra molhada. Na boca o vinho tem corpo médio, boa acidez, sutíl amargor e taninos gentis. Uma leve aresta de álcool. Um conjunto harmônico e elegante.

O terceiro vinho foi o Special Blend 2006 da Bodega del Fin del Mundo. Na minha adega descansam o 2004 e o 2005. Corte de Cabernet Sauvignon (40%), Malbec (40%) e Merlot (20%). Este caçula apresentou sua juventude com aquela cor rubí violácea intensa e halo aquoso inexistente. Os aromas eram intensos e remetiam a frutas negras maduras, especiarias e herbáceos, a evolução na taça por fim trouxe frutas secas. Na boca um vinho elegante que ganhará muito com a guarda, pelo menos uns cinco anos. Um vinho encorpado mas equilibrado, sem arestas, que encheu a boca com seu delicioso retorgosto de ameixa, sem amargor, excelente acidez, e com uma imensa carga tânica mas finíssima deixando um final longo e aveludado.

Passemos a um conhecido do blog, o Humberto Canale Gran Reserva Cabernet Franc 2005, já passou por aqui o 2004. Este vinho já possuí cor rubí translúcida com halo aquoso aparente. Os aromas tinham muita intensidade e destacavam-se as frutas vermelhas frescas, ervas, pimenta e herbáceos, com o tempo notas de couro deram o ar da graça. Na boca um vinho fresco e gastronômico, com ótima acidez, corpo médio, carga tãnica fina porém menor que os demais e retorgosto herbáceo. Final de boa persistência.

O quinto vinho era o badalado A Lisa da Bodega Noemía. Corte de Malbec (85%) e Merlot (15%). Novamente muita intenisdade na cor rubí com reflexos violáceos. Aromas intensos de frutas negras acompanhados de especiarias, menta e algo terroso. Na boca encorpado, boa acidez e taninos finos. Sem amargor e com leve aresta de álcool. Outro que ganhará com a guarda.

Por fim o espetacular Chacra 55 da Bodega Chacra. Rubí translúcido com leve reflexo violáceo. O nariz trouxe logo os aromas secundários e terciários, deixando as frutas em segundo plano, destaque para as notas de café, couro e terrosos, como disse as frutas vermelhas e herbáceos complementavam. Na boca um vinho que lembraría a escola européia. Elegância predominante através do equilíbrio entre o corpo médio, ótima acidez, taninos finos, ausência de amargor, retrogosto frutado e longa persistência.

Mais umas duas noites dessa e não sei onde vou parar... (risos)

Forte Abraço!

5 comentários:

  1. Cristiano, pega leve, nesse ritmo eu não sei como vai acabar, mas será breve. Rss
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Ei Cris!
    Que inveja... rsrs.

    Estou passando só para deixar um abraço pra vc! Faz tempo que não nos falamos... e que beleza a festa do Enoblogs, hein? Espero estar na próxima!

    Na semana passada tomei um mais básico da NQN, o Picada 15. Interessante e com nome sugestivo. Rsrs... vou colocar no Blog já já!

    Abração meu amigo.

    ResponderExcluir
  3. Gde Rafa!!!

    Amigão esperamos vc aqui!!!

    Os vinhos da Patagônia tem muito potencial, acredito que num prazo de 10 anos pode desbancar Mendoza, mas é só um palpite...

    Qdo vc vem a Campinas???

    Forte Abra;o!

    ResponderExcluir
  4. Oi Cristiano,
    Estou nesse momento aqui em Neuquen, na patâgônia indo comprar umas garrafas pra levar pra casa... show de bola esse post, muito obrigado pelas dicas!!! Com certeza vai melhorar minha seleção!
    Abraço, Luis

    ResponderExcluir
  5. Luis,

    Espero que tenha curtido muito essa viagem. Que tenha bebido bons vinhos.

    Fico feliz em ajudar!

    Forte Abraço!

    ResponderExcluir

Algum comentário? Fique a vontade!

Advertência

O conteúdo deste blog é destinado a maiores de 18 anos. Seja responsável, se beber não dirija!