Alfredo Roca Pinot Noir 2007

Tinto, 100% Pinot Noir

País: Argentina

Alfredo Roca Wines

Preço: R$ 20

Bons pinot´s abaixo de R$ 50 normalmente se assemelham a lendas... É sempre um desafio encontrar algum. Este argentino está entre esses lendários vinhos. Um Pinot que valoriza a fruta e não despreza a madeira.

Este produtor sempre é elogiado por blogueiros devido a boa relação custo-benefício dos seus vinhos. Os blogs Falando de Vinhos e Vinho para Todos são boas referências. Antes desse Pinot aqui nunca havía bebido um vinho do Roca e fiquei satisfeito com a qualidade do vinho, apesar de ser um pouco diferente dos Pinot's chilenos aos quais estou mais acostumado.

Este vinho apresentou cor rubí translúcida com leve reflexo violáceo e lágrimas correndo para todos os lados. Aromas intensos de frutas vermelhas frescas, especialmente cereja que foi confirmada no retrogosto. Ainda evoluiram na taça deliciosos aromas de chocolate, oriundos do estágio de 08 meses em carvalho.

Na boca apresentou corpo médio, boa acidez, álcool equilibrado e retrogosto frutado e persistente. Sem sinais de amargor.

Um vinho legal para aperitivos como um patê de atum ou presunto.

O site da vinícola tem uma versão em português e o blog do Alejandro Roca tem lindas fotos dos vinhedos, vale a pena conferir!

Forte Abraço!

Um Passeio pela Córsega...

Bom... Todo mundo já deve ter lido os posts do Alexandre e do Jean a respeito dos vinhos da Corsega que experimentamos. Eu demorei um pouco para postar sobre eles porque acho importante ressaltar que é muito legal um importador valorizar a opinião de "blogueiros" e ceder algumas garrafas para experimentarmos. Parabéns ao Empório Sorio pela iniciativa.

A Córsega fica na França e lá são produzidos cerca de 450.000 hectolitros de vinho por ano. As principais uvas são a Vermentinu, Sciaccarellu, Nielluciu e Petit Grains, mas nós experimentamos vinhos de cepas internacionais (Chardonnay, Pinot Noir e um corte de Cabernet Sauvignon com Syrah). O Jean preparou o jantar brilhantemente ainda me lembro do sabor daquela bruschetas com açafrão. Iniciamos as atividades com o Domaine de Lischetto Chardonnay 2008, um vinho muito interessante. Ainda com a cor amarelo palha com reflexo esverdeado, este branco apresentou boa intensidade aromática, destacando-se as frutas brancas, completando o painel estavam lá a baunilha, toques herbáceos e nunaces florais. Na boca o ataque foi levemente untuoso sem perder o frescor, um vinho leve e gostoso de retrogosto frutado e persistente, ideal para o entardecer do verão.

Seguimos com o Terra Mariana Pinot Noir 2007, um tinto rubí-violáceo translúcido. Aromaticamente apresentou cerejas frescas e pouca evolução na taça. Na boca me lembrou mais um Beaujolais, parecia que tinha maceração carbônica, um vinho muito leve, média acidez, retrogosto frutado e final "passageiro". Evidentemente ficou prejudicado por não ter harmonizado com nenhum dos pratos, uma pena, mas gostaría de experimentá-lo mais uma vez.

O terceiro vinho da noite casou bem com o prato de massa que o Jean preparou. O Domaine Pasqua Cabernet Sauvignon/Syrah 2004 mostrou-se uma vinho gastronômico, de cor rubí intensa, aromas de frutas negras doces e nuances herbáceos. Na boca teve um ataque gentil, equilibrado, com taninos maduros, boa acidez e algum açúcar residual (muito pouco como um Zinfandel), acho que pode ir bem com porco, principalmente quando tiver aquele molho de frutas...

Por fim um interessantíssimo vinho de sobremesa. O Domaine Pasqua Vin Doux Chardonnay começa bem por ser um vinho doce numa garrafa de 750ml, doce, mas nem tanto, bem característico, não lembra em nada um Late Harvest. Intenso nos aromas não teve a menor timidez para revelar as frutas cítricas em caldas como sua chave aromática. Na boca açúcar, acidez e álcool equilibrados destacando assim a excelente persistência.

Como pode se ver uma noite para ser lembrada... e com saudades, muita saudade!

Forte Abraço!

Alta Vista Classic Cabernet Sauvignon 2007

Tinto, Cabertnet Sauvignon

País: Argentina

Alta Vista Wines

Preço: R$ 29

Esse é o quarto vinho da Alta Vista que falo aqui no blog, já deu para perceber que sou fã da vinícola.... É um cabernet sauvignon de estilo moderno, encorpado e frutado, do tipo fácil de agradar.

Na taça a cor rubí domina com reflexo violáceo, mas já perdendo força, e pequeno halo aquoso aparente. Os aromas demonstram as frutas, destaque para as vermelhas e frescas, muito intensas, algumas tímidas notas de especiarias completam o painel. Com o tempo desenvolveu alguns nuances do carvalho americano, especialmente o tabaco e o coco.

Na boca está redondo! Com bom corpo, carga tânica madura e intensa, álcool e acidez na medida certa e retrogosto frutado e de razoável persistência.

Bom vinho para acompanhar carnes, esse aqui foi com um Picanha com ervas que faço na panela de pressão, ficou bacana.

Deve manter essas características por mais um ano.

Forte Abraço!

Palo Alto Reserva 2007

Tinto, Cabernet Sauvignon, Carmenère, Syrah

Chile

Concha Y Toro

Preço: R$ 32

Este é o vinho do mês da Confraria Brasileira de Enoblogs, escolhido pelo meu grande amigo Alexandre (Diário de Baco).

Observei os comentários dos confrades hoje e notei que apesar de muitos terem gostado do vinho consideraram o mesmo sem grandes virtudes e um vinho de fácil consumo sem muita complexidade. Eu vou me dar o direito de discordar.

Já havía bebido o nosso Palo Alto em um degustação as cegas na qual ele se saiu muitíssimo bem, obrigado! Esses desafios do JFC... E não foi diferente dessa vez.

Na taça apresentou cor rubí com reflexos violáceos além "chorar" muito. Muito intenso na sua cor, o Palo Alto chega a tingir levemente a taça. O halo aquoso é mínimo, praticamente inexistente, dando sinais que podemos guardar o vinho por mais algum tempo.

No nariz muitas frutas negras frescas, especiarias e nuances herbáceos e vegetais. Com o tempo as frutas ficaram um pouco mais "doces" e os aromas de café, caramelo e chocolate desenvolveram-se. Me chamou a atenção a enorme intensidade aromática deste vinho.

Na boca apresentou um bom ataque com bom equilíbrio, apenas uma leve aresta de álcool para "esquentar o peito' aconteceu. Secando bem a boca os taninos se apresentaram em bom volume e maduros, mas podem evoluir um pouco. Bom corpo e boa acidez. Retrogosto confirmando as frutas e boa persistência.

Acompanhou muito bem os filet´s de Noix e é um vinho que deve acompanhar carnes, fica muito prazeroso.

Forte Abraço!

Elos 2007

Tinto, 80% Cabernet Sauvignon, 20% Malbec

Brasil

Lidio Carraro

Preço: R$ 56

Este é um interessante corte nacional. Um vinho bem equilibrado onde tudo se encaixa muito bem. Gostei muito deste vinho.

Na taça apresentou cor rubí, pequeno halo de desenvolvimento e muitas lágrimas. Nos aromas sentimos a presença da Malbec com um belo bouquet de frutas negras acompanhados dos aromas herbécos. Muita intensidade aromática.

Na boca boa presença, com bom corpo, carga tânica elevada, boa acidez e sem sinais de amargor. Retrogosto frutado e de boa persistência. Bom equilíbrio.

Um vinho que se resolve bem sozinho e que pode acompanhar pratos com bom volume de sabor.

Forte Abraço!

Reserva da Serra Merlot 2006

Tinto, Merlot

Brasil

Lidio Carraro

R$ 33

Bom continuamos a primeira degustação do Vivendo Vinhos com outro Merlot, o da safra 2006. E é nessa análise comparativa que percebemos a diferença de qualidade das safras.

Este vinho (2006) é redondo e gostoso. Está pronto para ser consumido! Porém não apresenta a mesma estrutura da safra 2005, nem por isso é um vinho ruim. Nesse momento inclusive está mais amigável, carga tânica menor e redondinha.

Na taça cor rubí violácea , aromas de frutas vermelhas frescas, florais e herbáceos. Boa intensidade aromática.

Na boca, álcool para amaciar o palato, taninos maduros, corpo médio, boa acidez, retrogosto frutado e perisitência média. Esse vinho é mais leve que o Merlot 2005 mas suporta bem uma massa ou um grelhado, particularmente tentaría com um bom galeto, especialmente se for um "ao primo canto" que é tçao tradicional na Serra Gaúcha.

Forte Abraço!

Reserva da Serra Merlot 2005

Tinto, Merlot

Brasil

Lidio Carraro

R$ 30

Este foi o melhor vinho da noite! Equilibrado e com boa persistência. Mais um merlot nacional que me surpreendeu... e eu não sou muito chegado na merlot.

Na taça apresentou coloração rubí violácea, com pequeno halo de evolução. Os aromas demonstraram frutas vermelhas frescas ainda, sinalizando jovialidade, acompanhados de herbáceos e especiarias. Com um pouco de tempo na taça, uma certa ameixa apareceu saliente.

Encorpado e saboroso, sem nenhum sinal de amargor nem de desequilíbrio alcóolico. Boa acidez. carga tânica elevada e madura eu fiquei doido para experimentar uma carne com este vinho.

Acho uma boa escolha para um almoço com a família. Quem sabe até numa data especial.

Forte Abraço!

Dádivas Chardonnay 2008

Branco, 100% Chardonnay

Brasil

Lidio Carraro

Preço: R$ 35

A primeira degustação do Vivendo Vinhos seguiu com um branco, como não podería deixar de ser. Na taça estava o Dádivas, linha lançada em 2009 pela Lidio Carraro, que, salve algum engano da minha parte, está lançando um corte bordalês neste ano.

Eu já havía experimentado esse vinho mas fiquei com uma impressão ruim. Dessa vez posso dizer que estava enganado. Um chardonnay fresco mas com um toque de untuosidade característico.

Na taça a cor era amarelo palha e as lágrimas eram abundantes. O nariz toruxe boa intensidade num painel frutas cítricas que com o tempo na taça deixaram o frescor para estarem mais maduras, o abacaxi em caldas apareceu lento e atraente, a baunilha estava por lá também.

Na boca ele é cremoso! Corpo médio, álcool redondo, boa acidez e retrogosto frutado e de média perisitência. Não sentí necessidade de acompanhá-lo com comida e acho que é uma boa opção para abrir uma noite fria com os amigos, mas se você quiser acho que pode sustentar bem um Salmão com azeite e açafrão.

Esse vinho já foi comentado por outros blogueiros em diversos momentos, confira os posts:

- Vinhos de Corte

- Vinho para Todos

- Nosso Vinho

Forte Abraço!

Reserva da Serra Brut

Espumante, Pinot Noir e Chardonnay

Brasil

Lidio Carraro

Preço: R$ 33

Bom, esse foi o primeiro vinho da Degustação do Vivendo Vinhos. Foi servido mais como um "welcome drink" para a noite que viría. Mas mesmo assim me chamou atenção.

Na taça apresentava tonalidade amarelo palha e perlage fino. Um espumante bem aromático onde se destacaram os aromas de frutas brancas e cítricas, algo de fermentado com o tempo, boa persistência, complexidade e intensidade.

Na boca foi cremoso, explico: formou um creme com a saliva devido ao perlage fino, muito interessante para um espumante brut, aliás não é aquele brut seco que estamos acostumados, é ligeiramente mais doce o que convida sempre ao próximo gole.

Ainda apresentou corpo leve, álcool equilibrado, boa persistência e boa acidez. Admito que um camarão de aperitivo passou pela minha cabeça para acompanhar este bom espumante.

Com certeza vale muito a pena experimentar este vinho.

Forte Abraço!

Advertência

O conteúdo deste blog é destinado a maiores de 18 anos. Seja responsável, se beber não dirija!