Montando a Adega - Austrália

Chegou a vez dos vinhos australianos! Conhecidos pos sua potência e opulência os vinhos da Austrália são realemente marcantes. Ao melhor estilo Novo Mundo são vinhos normalmente alcóolicos, mas existem alguns muito equilibrados e realmente agradáveis.
A lista hoje é por minha conta, então vamos a ela!
- Hardy's Stamp Riesling/Gewurtraminer
A princípio é um corte muito estranho, mas o vinho tem a delicadeza da Gewurz e o equilíbrio da Riesling, muito interessante! Ótimo para acompanhar entradas de forma descompromissada, fica por R$ 45
- Down Under's Chardonnay
Com a untuosidade e o corpo dos Chard's do Novo Mundo mas com maior equilíbrio devido a excepcional acidez. Um vinho muito gastronômico e que agrada facilmente, chame ele para uma boa conversa! Também na faixa dos R$ 45...
- Wakefield Estate Range Shiraz
Campeão de vendas, um Shiraz delicioso, marcado pela fruta. Enche a boca e pede um belo naco de carne vermelha! R$ 60
- Rosemount Shiraz, Cabernet Sauvignon
Belo corte! Vinho equilibrado e potente. Me agrada muito com cortes de porco pois tem muita especiaria, tanto na boca como no nariz. R$ 55
- Tyrrell's Old Winery Pinot Noir
Para finalizar um Pinot com muita fruta, marca do Novo Mundo. Equilibrado e com uma lembrança de cereja impressionante. Vai muito bem com aves! R$ 65
Forte Abraço!

Montando a Adega - França

Continuamos nossa Adega na Europa, mais precisamente na França! Para esse desafio de encontrar bons vinhos franceses a R$ 60, contei novamente com a ajuda do Beto Duarte. O cara sabe tudo e não nos deixou na mão...
Tem de tudo, Bordeaux, Corsega, Rhône, até rosé... Vamos aos vinhos?
"Oi Cristiano,
Cuvée la Vigne Blanche 2007 – Gaillac -Importadora Cave Jado. Uvas: 40% Syrah, 30% Braucol, 20% Fer-Servadou, 10% Duras.
Vinho de bom corpo, notas de amora, ameixa e especiarias. Final longo. Preço: 58 reais
Terraza D´Izula Rosé – Córsega – Importadora Empório Sório. Uvas: Sciaccarellu e Gris de Cinsault
Vinho com boa acidez, refrescante. Notas de morango e framboesa. Preço 44,50 reais
Côtes du Rhône Terroir 2008 - Produtor Clerget – Importdor Ravin Um vinho de 45 reais.
No nariz notas de cereja e ameixa, especiarias, eucalipto e chocolate. Na boca o corte de Grenache, Syrah, Mourvèdre e Cinsault mostra a elegância e concentração dos vinhos do Rhône.
Côteaux du Tricastin La Ciboise 2006 (M. Chapoutier) – Rhône – Importadora Mistral – 48 reais. Uvas: Grenache 60%, Syrah 40%
No nariz frutas negras maduras e especiarias. Na boca macio e bem equilibrado.
Cuvée Terroir 2006 – Produtor: Château Frédignac - AOC Côtes de Blaye – Bordeaux Importador Cave Jado – 49 reais. Uvas: 80% Merlot, 20% Cabernet Franc
No nariz amora, alcaçuz e couro. Na boca a elegancia característica do corte Merlot, Cabernet Franc
Abraços
Beto Duarte"
Bom... o que dizer sobre essa lista, experimente e conheça a magia dos vinhos franceses. O Beto caprichou! Eu vou contribuir com um vinho que foi o próprio Beto me apresentou, um Vin de Table muito bem feito, é Cuvee Sophie, vale muito a pena!
Forte Abraço!

Montando a Adega - Espanha

E depois de uma parada para um final de semana de "bebemorações"... o Montando a Adega retorna!!! Desta vez com um país muito tradicional no mundo do vinho, a Espanha! Pena que no Brasil não desfrutemos tanto do vinho espanhol como ele mereça... Aqui temos uma boa oportunidade de conhecermos bons rótulos a bons preços!
Tenho certeza que pouca gente no Brasil conhece de Velho Mundo como o querido Beto Duarte, Papo de Vinho, este amigo e blogger que é com certeza uma referência para todos nós amantes do vinho enviou cinco excelentes escolhas, vamos a elas!
"Taí Cristiano, Espanha!

Esse deu água na boca. Vinhos baratos e muito bons. O Artazuri e o Valdemar principalmente!
Espanha
Nekeas Tempranillo/Merlot 2008 - Navarra – Importadora: Santa Ceia Vinhos – 40 reais 80% Tempranillo, 20% Merlot
Notas de cereja e ameixa. Corpo médio. Tinto Joven. Não passa por madeira.
Vega Sauco Piedras Crianza 2005 - Toro - Tempranillo
Vinhas velhas e passa 14 meses em barricas francesas e americanas (30%). O vinho tem cor rubi com reflexos violeta. No nariz primeiro vem os aromas de cereja, amora e groselha, depois couro, madeira, chocolate e torrefação. Na boca mostra boa acidez, mas o álcool aparece um pouco.
Me parece que o preço na Ravin é 49 reais.
Conde de Valdemar Crianza 2004 – Rioja - Mistral – 60 reais - 85% Tempranillo, 15% Mazuelo
Vinho complexo. Notas de cereja, ameixa, madeira, baunilha, café e chocolate. Passou 14 a 16 meses em barrica.
Artazuri Tinto 2007 (Artazu) – Navarra - Vinci – 55 reais - Garnacha 100% (Vinhas velhas)
Não passa por madeira Vinho excelente. Frutas vermelhas e especiarias. Impressionante na boca. Final longo!
Ostatu Tinto Joven 2008 - Rioja Alavesa – Cultvinho - 55 reais - Tempranillo 100%
Maceração carbônica. O vinho tem cor vermelho rubi com reflexos violeta. Brilhante e transparente. No nariz framboesa, morango e cassis. Na boca é bem equilibrado e como se espera de um vinho jovem, corpo médio.
Abs
Beto Duarte"
Como eu disse uma listaça!!! Dois vinhos da Navarra, região que só cresce, cada dia que passa um vinho melhor... Vou colocar meu pitaco na lista e sugerir uma Cava espanhola para você variar de vez em quando e não beber só os excelentes espumantes nacionais. Uma bem acessível e de retorno garantido é a Cava Don Roman Brut, corte típico, vale a pena conhecer!
Forte Abraço!

Montando a Adega - Chile

Continuando com nossa adega chegou a vez do Chile. País que encontramos fartamente em nosssas gôndolas e prateleiras. País que já tive a oportunidade de visitar e que espero, melhor, tenho certeza que vai se recuperar rapidamente deste nefasto terremoto.
No mundo dos blogs o Jeriel é um dos caras que mais experimenta Chile e conhece muito de todas as regiões e dos produtores, por isso pedí a lista ao amigo, vamos conferir?
"ADEGA CHILENA
Para os consumidores brasileiros os vinhos chilenos são muito consumidos, apreciados e admirados porque possuem uma multiplicidade de aromas, estilos e sabores por preços justos. Devido às exigências do mundo globalizado, a indústria vinícola chilena está em constante evolução focada principalmente no terroir, na busca de novos vales para o cultivo de novas cepas, na elaboração de novos assemblages, na procura por novos mercados, enfim inúmeras são as variáveis que movem a diversidade da produção chilena que acredita e aposta na diferenciação como forma de identidade.
BRANCO
Cono Sur Bicicleta Riesling 2008 - Vale de Bío-Bío - R$ 28,50 - Expand – tel. 011 3847 4700 - Produzido no distante Vale de Bío-Bío, mostrou que a cepa tem plenas condições de evoluir nessa região austral de clima ameno. No olfato despontam aromas cítricos e minerais (pedra de isqueiro, querosene). Na boca é rico, de ótima acidez e corpo pleno com total subscrição do olfato. Vinho de grande tipicidade que termina longo e que também apresenta algum potencial de evolução na garrafa. Já foi o vinho do mês da Confraria dos Enoblogs com boas avaliações. Imbatível na sua faixa de preço.
TINTOS
Veo Grande Carménère 2008 - Vale de Colchágua - R$ 35 – Obra Prima/PR – tel. 55 (41) 3085-0030 - Surpreendente Carménère do promissor Vale de Colchágua, um dos mais importantes vales chilenos onde Cabernet, Syrah e Carménère despontam. Às cegas este VEO se mostrou superior a vinhos bem mais caros ao mostrar tipicidade da casta nos aromas de café torrado, terra úmida e frutas vermelhas, tudo isso repetido na boca macia, redonda, frutada e de taninos de ótima textura. Termina longo e com muita harmonia, sem o amargor vegetal de alguns exemplares dessa casta. Outro vinho imbatível na sua faixa de preço.
Ventisquero Queulat Cabernet Sauvignon 2007 - R$ 58,71 – Estação do Vinho – tel. 011 3045 2461 - O Queulat é um tradicional Cabernet do Vale do Maipo, o principal terroir chileno para a esta cepa. Cor rubi violáceo profundo e com discreto halo de evolução. Ao nariz uma explosão balsâmica com eucalipto e mentol secundados por cassis, baunilha com boa sustentação. Boca quente (14,5% álcool), redonda, macia, de taninos suaves e aveludados, com a repetição das sensações olfativas (frutado), num corpo médio com uma gostosa nota de madeira em integração com os demais elementos. Longo e persistente, termina com leve chocolate e apresenta um retrogosto mentolado. De fato um Cabernet Sauvignon de ótimo nível, que esbanja tipicidade e que conta com bom potencial de evolução na garrafa (3/5 anos).
Valvidivieso Premium Cabernet Franc 2006 – Vale de Curicó – R$ 56,50 – Supermercado St. Marché – tel. 011 3744 5595 – O Vale de Curicó pertence ao Vale Central, fica entre o Vale de Colchágua e o Vale de Maule e engloba o Vale de Lontué. A Cabernet Franc é uma cepa que poucos se atrevem a produzir vinhos, porém, é uma casta que costuma premiar aqueles que se atrevem a fazê-lo com vinhos de personalidade, que necessitam de tempo na garrafa e uma boa decantação antes de bebê-lo. Análise organoléptica: rubi violáceo profundo, intenso sem halo de evolução, nos aromas uma nota tostada domina o conjunto. Depois mentol sobre um fundo de frutas negras com destaque para ameixa. Evoluiu para geléia de amoras com uma pitadinha de cassis. Ótima sustentação sem a tradicional goiabada, apenas uma sobra de álcool que não incomoda. No fundo de copo uma sugestão achocolatada. Na boca é macio, intenso, taninos vivos sem incomodar. Como todo bom Cabernet Franc é redondo e tem boa fruta, que não está subjugada pela acidez ou pelos taninos viris. Tem profundidade e termina ligeiramente curto, rugoso, salivante (boa acidez) e promete uma ótima evolução na garrafa nos próximos cinco anos. Uma boa pedida para quem deseja conhecer melhor a casta, porque este exemplar tem tipicidade de sobra. Boa relação preço-qualidade.
VINHO DE SOBREMESA
Viu Manent Noble Semillón Botrytis Selectión 2008 – Vale de Colchágua – R$ 62,40 (garrafa de 500 ml) – Hannover - tel. 011 2638 0881 - Produzido no Vale de Colchágua com uvas Semillón de parreiras velhas parcialmente atacadas pela Botrytis Cinerea, este Late Harvest encanta por sua complexidade aromática com destaque para toques florais e frutados, como flor de laranjeira, maracujá e abacaxi maduros. Na boca é denso e a sua untuosidade se destaca. Ainda no palato tem equilíbrio gustativo, acidez delicada, corpo pleno e além do tradicional toque crocante da botrytis, muito frescor e deliciosas notas amendoadas complementam a paleta de sabores deste guloso vinho de sobremesa."
Uma bela lista!!! Tem toda a tipicidade do chile e seus varietais, mas eu vou incluir dois rótulos do Valle de Casablanca, que é realmente esplendoroso para as uvas brancas e para a Pinot Noir. O primeiro é Casas del Bosque Sauvignon Blanc Reserva um vinho de consistente qualidade, sempres obtendo boas notas no guia Descorchados (todo ano fica entre 87 e 89 ptos) e é apenas o Sauvignon de entrada da vinícola...
O Pinot Noir é de um fantástico produtor! A Viña Montes é simplesmente maravilhosa, tendo qualidade em todos os vinhos produzidos, O Montes Seleccion Limitada Pinot Noir é um ótimos vinho e faz bonito, experimente!
Forte Abraço!!

Montando a Adega - Portugal

Ah! A terrinha traz excelentes opções ao mercado brasileiro. Bons vinhos a ótimos preços, isso para não falar na incrível variedade de estilos de vinhos que Portugal faz. Se você achava que Portugal era Douro ou Alentejo, estava enganado!
O grande João Filipe Clemente que o diga! Com uma lista de 17 rótulos que contemplam todas as regiões vinícolas de Portugal ele quer que nós tenhamos uma adega exclusivamente lusa!Fazer o que se ele não respeitou a orientação de 05 rótulos... aproveitar! Vamos a lista!
"Um Toque Luso em Sua Adega
Obviamente que o amigo Cristiano tinha que me premiar com a “dura e espinhosa” tarefa de escolher somente, repito, somente uma meia dúzia de rótulos portugueses para você colocar em sua adega e que não ultrapassem os R$60,00. É duro e espinhoso sim e não por causa do preço, mas sim porque a quantidade de vinhos portugueses bons e baratos disponível no mercado é imenso e uma grande opção aos vinhos argentinos e chilenos que rondam por aí. Tem mais, na grande maioria das vezes são vinhos muito superiores em qualidade sendo, desta forma, uma maneira de não gastar muito quando de uma primeira aproximação com os vinhos do Velho Mundo. Péra aí!!! Agora é que me toquei! Será que ele me deu essa tarefa pelo vinculo com o “Velho” ou com terras Lusas? Preciso ter um papo olho no olho com o moço! Bem, mas vamos ao que interessa. Como sempre desafio as regras e darei duas sugestões para cada uma das mais importantes regiões produtoras em Portugal. Você toma todos e depois escolhe o que colocar na adega, o que você acha da idéia?
Alentejo:
• Loios 2008 por cerca de R$29,00
• Bom Juiz 2006 por cerca de R$46,00
Terras do Sado:
• Meia Pipa 2007 por cerca de R$52,00
• Barão do Sul por cerca de R$28,00
Douro:
• Estação Douro 2004 por cerca de R$40,00
• Altano Biológico 2007 ao redor de R$60,00
Tejo (ex-Ribatejo):
• Quinta do Casal Branco 2006 ao redor de R$49,00
• Quinta da Lagoalva Castelão/Touriga Nacional 2005 por cerca de R$45,00
Lisboa (ex-Estremadura):
• Quinta da Cortezia Touriga Nacional por volta dos R$58,00
• Prova Régia Arinto 2007 a cerca de R$50,00
Bairrada, terra da baga e de bons espumantes
• Quinta do Encontro Merlot/Baga 2007 por cerca de R$37,00
• Filipa Pato Ensaios tinto por cerca de R$43,00
Dão: a região mais complicada para encontrar vinhos BGB (Bons, Gostosos e Baratos). Como nos tempranillos e pinots, a sugestão é servi-los levemente refrescados em torno dos 16º.
Quinta de Cabriz com preço por volta dos R$26,00
• Duque de Viseu 2006 por volta dos R$51,00.
Minho , só brancos da região dos vinhos verdes.
• Quinta do Ameal Loureiro 2007 por cerca de R$42,00
• Varanda do Conde 2008 por cerca de R$30,00
Espumante: Não perca o delicioso 3b -Baga, Bical (duas uvas regionais) e Bairrada ou como diz a Filipa Pato (autora desta delicia) pode também ser Brasil.
Não é à toa que este blog está entre meus favoritos. O Cris, que já tinha um blog legal, cresceu mais ainda depois que convive com o bonito sorriso da Val! Participar desta iniciativa foi um prazer e uma honra.
Salute amigo e kanimambo por nos presentear com seus posts, quase, diários."
Bom depois dessa maratona o melhor é começar a provar!!!
Forte Abraço!

Montando a Adega - Argentina

A Aregentina cresceu muito no mundo do vinho nos últimos anos. No nosso mercado nem se fala, ainda não bateu o Chile, mas se bobear... E isso ocorre pela boa qualidade dos vinhos dos hermanos. Qualidade e bom preço!
Para essa verdadeira desafio, recomendar 05 rótulos para se iniciar uma adega, convidei o amigo Daniel Perches (Vinhos de Corte), afinal ele conhece muito de vinho, confira a seleção abaixo!

"Atendendo ao pedido, listo abaixo cinco vinhos da Argentina que considero boas compras para quem está começando a sua adega. Nesse caso o fator principal foi o preço, que deveria ter como teto o valor de 60 reais. Existem muitos outros que valem a pena conhecer e nem uma lista com 50 rótulos seria suficiente, mas acredito que essas já possam servir como um bom início.
Vamos às dicas:
- Alamos Selección Pinot Noir 2008
Produzido pela famosa bodega Catena Zapata, esse Pinot Noir produzido em Mendoza esbanja fruta fresca (morango, cereja). Muito bem equilibrado.
Uvas: Pinot Noir
Onde encontrar: Mistral
Preço médio: 40 reais
Características: Corpo médio, guarda de 3/5 anos. Harmoniza com pratos de molhos mais leves, queijos e peixe.
- Tempus Pleno
Esse vinho é um Best buy. Já foi vendido no Brasil por mais de 100 reais e ao mudar de importador, teve seu preço muito reduzido. Nós consumidores que saímos ganhando. O produtor faz também um mais básico (Tempus Alba) que também é muito bom, mas esse é ainda melhor.
Uvas: Cabernet Sauvignon, Malbec
Onde encontrar: Sam´s Club
Preço médio: 40 reais
Características: Corpo médio, guarda de 5/7 anos. Harmoniza com pratos de molhos fortes e carnes. Bom para acompanhar churrasco.
- Rutini Cabernet/Syrah
Os vinhos da Rutini são muito cultuados no Brasil. Esse corte de Cabernet Sauvignon com Syrah agrada pela sua força, potência e vivacidade. Ótimo para acompanhar uma comida mais forte (até apimentada).
Uvas: Cabernet Sauvignon, Syrah
Onde encontrar: Zahil
Preço médio: 65 reais
Características: Guarda de 5/7 anos. Harmoniza com pratos de molhos fortes e carnes. Bom para acompanhar churrasco, carnes grelhadas.
- Vistandes Torrontés
A uva torrontés é conhecida por ser muito aromática, com grande predomínio de florais. Em boca é leve e é uma ótima parceira para os dias quentes de verão. Agrada muito o paladar feminino.
Uvas: Torrontés
Onde encontrar: Santa Ceia Vinhos
Preço médio: 30 reais
Características: Guarda de 2/3 anos. Pode ser degustado sozinho ou acompanhando saladas e entradas leves.
- Callia Magna Viognier 2006
Pra fugir um pouco das tradicionais Chardonnay e Sauvignon Blanc, esse Viognier da Bodegas Callia é fantástico. Bom corpo, boa acidez e um frescor fantástico, com notas florais e frutas brancas jovens.
Uvas: Viognier
Onde encontrar: Decanter
Preço médio: 45 reais
Características: Leve, fácil de beber e com boa acidez. Acompanha muito bem frutos do mar.
Espero que ajude. Dicas novas são sempre bem vindas.
Abraços
Daniel Perches"
Essa lista do Daniel realmente ficou fantástica! Mas vou ousar e sugerir mais dois rótulos!
O primeiro é um varietal de Malbec, cepa ícone da Argentina, o Alta Vista Premium é uma excelente opção na minha opinião pois traz boa tipicidade e pode ser guardado por um bom tempo.
O segundo é um vinho da fria Patagônia, região com grande potencial de crescimento e que traz belos Pinot Noir's capazes de competir com os Chilenos, é o caso do Bodegas del Fin del Mundo Pinot Noir Reserva que ano após ano vem mostrando consistência e qualidade.
Forte Abraço!

Montando a Adega - Itália

Ah... a Bota!!! Tantas regiões, tantas castas e tanta tradição. A Itália é um dos principais países vitivinícolas do mundo e aqui no Brasil com tantos descendentes não podíamos deixar para depois... a Itália é o segundo país do nosso "Montando a Adega".
Meu amigo Alexandre do Diário de Baco é um apaixonado pelos vinhos italianos e não se cansa de procurar por bons rótulos a bons preços. Logo pedí a ele a lista que podemos conferir abaixo.
"Rupestro Merlot/Sangiovese IGT 2007 - R$ 35,00
Um corte de 80% merlot e 20% sangiovese. Tem cor rubi de média intensidade, com aromas frutados predominantes de cereja e algo de especiarias. Na boca é um vinho macio e leve, taninos finos, ótima acidez e álcool totalmente integrado. Não passa por madeira.
Farnese Montepulciano d'Abruzzo DOC 2007 - R$ 39,00
Produzido pela Farnese, a mesma que faz o excelente Edizione, esse é um vinho de linha básica deles. Um vinho jovem de cor rubi violácea muito intensa, deixa muitas lágrimas e a taça manchada. No nariz o aroma de frutas vermelhas maduras como cereja e ameixa é predominante, acompanhado do toque de madeira. Na boca tem ótima acidez, taninos presentes mas um pouco rústicos e bom corpo.
Talenti Rispolo IGT 2007 - R$ 40,00
Esse vem da região da Toscana, mais precisamente do sul de Montancino, berço dos Brunellos. A vinícola é relativamente nova, cerca de 30 anos, mas pelo cuidado com que foi feito esse vinho, merece atenção. Um italiano feito de uvas francesas, sendo 40% de Cabernet Sauvignon, 30% de Merlot e 30% de Petit Verdot. De cor rubi muito intensa, no aroma predomina a fruta madura, café, tostado, mas na boca o vinho surpreeende - bom corpo, equilibrado, ótima acidez e taninos macios. Os 14.5% de álcool, nem se notam.
Santa Cristina Chianti Superiore DOCG 2006 - R$ 50,00
Feito pela vinícola Antinori, tem cor rubi com reflexos granada, tem aromas pouca fruta, aparecendo o couro, um toque terroso e nuances parecidas com vinho do porto, proporcionados pelos 9 meses em barrica. Na boca é equilibrado e macio.
Remole IGT 2007 - R$ 66,00
Mais um da região da Toscana, produzido pela Vinicola Frescobaldi. É um corte de sangiovese e cabernet sauvignon, de cor rubi escura e aromas muito intensos de de cereja madura, doce e café. Na boca a fruta madura se repete escoltado pela ótima acidez. Taninos aveludados e corpo médio."
Bom... a lista do Alexandre é fantástica, mas eu não podería deixar de acrescentar um rótulo, o Valpolicella Classico Campo del Biotto, um rótulo para acabar com a imagem de má qualidade que estes vinhos do Veneto possuem devido aos tantos Valpolicella's que existem nos supermercados por aí...
Forte Abraço!

Ballorin Marsannay 'Coeur de Rose', um Exótico Borgonha Rosé!!!

Rosé, Pinot Noir
França
Domaine Ballorin & Fils
Preço: R$ 95
Bom, como já sabem eu experimentei alguns borgonhas biodinâmicos recentemente, todos da Domaine Ballorin e todos importados pela Santa Ceia Vinhos. E nós começamos aquela noite com este rosé muito delicado e muito diferente do que estamos acostumados, afinal Argentina e Chile fazem aqueles vinhos rosé vermelhos com intensidade e algum corpo.
Como disse, um rosé muito delicado iniciando pelas sua cor pêssego, salmão brilhante e translúcida, Ainda chorão, lágrimas ligeiras e abundantes correm graciosamente pela taça.
Os aromas remetem a flores e nuances minerais, a fruta vermelha é fresca porém muito tímida. Na boca o ataque é exótico e equilibrado. Corpo leve bem integrado com o álcool e a razoável acidez, não temos aqui um vinho fresco, mas sim delicado onde sentimos claramente o retrogosto floral tocado suavemente por um mínimo amargor. Boa persistência para um rosé.
Um vinho para surpreender a mulher amada!
Forte Abraço!

Montando a Adega - Brasil


Começamos nosso Montando a Adega em nossas terras. Os vinhos tupiniquim tem melhorado sensivelmente e podemos de fato comprar bons rótulos a bons preços. Os espumantes nacionais já são reconhecidos internacionalmente e um dos destaques da nossa produção vem sendo a Merlot, mas castas como a Cabernet Franc e a Tannat tem feito bonito também. Mas os brancos nacionais é que tem demonstrado mais potencial na minha modesta opinião. Em termos de regiões, terroir's, a Encruzilhada da Serra e a Campanha tem agradado mais.
Mas afinal eu não conheço tanto dos vinhos brasileiros como meu amigo Vinho para Todos e pedí a ele os vinhos, confira!
"Cristiano,
Mesmo para os vinhos brasileiros, que na lista que enviou aos demais é o mais jovem em termos vitivinícolas, há um bom número de vinhos que poderia indicar.
Mas procurei pensar no seu propósito: indicações seguras aos leitores do Vivendo Vinhos para que possam montar sua adega, a um preço razoável (R$60).
Pois bem, os vinhos abaixo são bons representantes do potencial brasileiro, com preços honestos. Então vamos lá: 1 espumante, 3 tintos e 1 branco.
- 130 ESPUMANTE BRUT
Elaborado pela Casa Valduga pelo método tradicional (champenoise), leva em sua composição chardonnay e pinot noir. Ao que consta, em breve também receberá no corte a pinot mounier. É um espumante elegante e com boa complexidade. Os aromas provenientes da segunda fermentação o deixam muito interessante. Tem recebido premiações importantes.
- VALMARINO CABERNET FRANC X
Tenho gostado muito de alguns cabernet franc brasileiros. Esse é especial: edição limitada, elegante, ainda em evolução e com bom preço. A vinícola parece ter conseguido uvas com excelente grau de maturação. 14% de teor alcoólico. Quem for a Pinto Bandeira não pode deixar de passar pela vinícola degustar toda a linha de tintos e espumantes. Vão se surpreender.
- PIZZATO RESERVA MERLOT 2005
A história da vinícola Pizzato está muito ligada à ascensão dos vinhos brasileiros, especialmente após seu Merlot 1999. Este vinho é “didático”, pois mostra ao degustador as nuances que a merlot pode ter no Vale dos Vinhedos. Macio e elegante, com ótimo preço. Compra segura.
- VALLONTANO TANNAT 2005
Dizem os especialistas tratar-se do melhor tannat brasileiro. Não posso fazer a mesma afirmação porque não experimentei todos, nem a maioria deles, mas é um vinho de respeito. Tem estrutura, é aromático e gastronômico. Acredito que ainda possa melhorar. A Vallontano é uma vinícola muito cuidadosa.
- CASA VALDUGA GRAN RESERVA CHARDONNAY 2009
Esse vinho na safra 2008 me fez pensar no potencial dos vinhos brancos nacionais. Passa por barricas de carvalho francês e romeno, o que lhe deu grande complexidade. Na boca é muito macio, amanteigado e com final longo. Boa vocação gastronômica.
Enfim essas são minhas indicações. Tenho certeza de que os leitores mais experientes vão pensar: “nessa lista faltou tal vinho”, mas a tarefa, como disse, não era fácil.
Posso lhe garantir que a lista é bastante honesta, pois são vinhos que comprei e bebi em casa, sempre acompanhado por minha esposa.
Forte abraço e obrigado pela confiança."
Essa é uma excelente lista, mas tomando a liberdade vou dar um toque a ela sugerindo ao amigo leitor que experimente também o Quinta do Seival Castas Portuguesas, outro excelente vinho nacional, campeão de compras aqui em casa...
Forte Abraço!

Montando a Adega!!!


Bom... quando comecei no mundo dos vinhos uma das primeiras coisas que fiz foi comprar uma adega climatizada de 30 garrafas. Mas como recheá-la??? Sentí muita dificuldade em selecionar os vinho e acabava comprando algumas coisas a um preço maior, mas que realmente não compensavam.
É complicado querer começar e comprar coisas diferentes para experimentar sem saber de fato o que realmente esperar daquele vinho... se eu estava comprando um bom produto ou não? Nesse ponto também procurava gastar valores mais razoáveis com os vinhos porque em caso de erro eu não perdería tanto. E assim foi... durante muito tempo não bebí Torrontés, porque os primeiros que comprei... hoje é umas das minhas uvas preferidas.
Pensando nisso tudo eu decidí dedicar o mês de março ao amigo que é iniciante no mundo do vinho e está sempre buscando novas experiências a preços razoáveis. Portanto vamos passear pelos paísese vinícolas em busca de boas compras que possam proporcionar além do prazer da bebida, algum aprendizado.
Como não sou dono da verdade convidei vários blogueiros para me ajudar nessa tarefa cada um deles contribuiu com uma lista de vinhos por país que eu pré-selecionei. A idéia são 05 vinhos por país com preço limitado a R$ 60. Evidentemente nem sempre isso foi seguido a risca, afinal o mais importante é ter um bom vinho na adega a preço justo. Também tem o fato de 05 vinhos ser um número muito pequeno para representar um determinado país, mas acho que tudo isso só enriquece a nossa adega.
Enfim o resultado são cerca de 70 rótulos que com certeza valem ser provados e podem montar uma bela adega! Começamos a conhecê-los essa semana, enquanto isso você pode clicar e conhecer os 'best buys' que já passaram por aqui, com certeza podem ser uma boa opção para qualquer adega.
Forte Abraço!

Mouchão 1979, Irreparável!!!

O tal do Diego é um cara surpreendente. Primeiro era só um Sommelier de um excepcional restaurante. Com sua maneira, digamos, nada européia de atender o cliente, participando ativamente da escolha do vinho, demonstrou seu carisma e capacidade.
Passou tudo isso e o cara tem se tornado uma amigo do vinho, um cara que apesar do conhecimento e da capacidade não subestima ninguém que goste de vinho e acredita que sempre pode aprender mesmo com amadores como eu.
Esse respeito e carinho ele demonstrou na última quarta-feira de cinzas. Com uma semana de férias convidou a mim e ao Alexandre para bebermos o tal vinho da "Reserva do Sommelier"... Eu não podería nem pensar em recusar, vai saber o que sería isso???
Ainda bem que fui... 10 minutos atrasado cheguei e encontrei os amigos conversando, mais alguns minutos e o mistério estava desfeito! Um grande vinho português à mesa! Um Mouchão! Um Mouchão 1979... ainda enrolado em filme plástico afim de retardar as marcas do tempo, que mesmo assim faziam-se notar.
Aí começa um momento mágico, na verdade emocionante... um momento onde o sommelier torna público que nada mais é que o amante do vinho, e como todos nós queremos dividir nossas melhores garrafas com outros que possam apreciar.
É tudo perfeito... a rolha toda tomada pelo vinho se esfarela suavemente na abertura, a borra se fal ver nas paredes da garrafa. Na taça o vinho desperta, antes de mais nada, curiosidade! Satisfeita ao primeiro gole! Com 30 anos e alguns meses de idade o Mouchão esrava vivo!!! Como pude recear???
Jovial em sua cor rubí translúcida, maduro em seus potentes aromas e irreparável em seu sabor. Vivo e com intensidade! Não cabe descrição técnica pois é um daqueles vinhos que emocionam... como diría mestre Chico...
Não há palavras para descrever as sensações acho que a melhor ilustração do prazer que sentimos em beber este vinho foi a velocidade com que bebemos de tão fantástico que ele estava.
Enfum o respeito do Diego por nós se mostrou na oportunidade que nos proporcionou e ele pode ter certeza que se for possível sempre iremos retribuir. Ao amigo mais uma vez obrigado!
Forte Abraço!

Domaine Ballorin Le Bon 2007, um belo Borgonha!

Tinto, Pinot Noir
França - Borgonha
Domaine Ballorin
Preço: R$ 110
Gilles Ballorin é um produtor biodinâmico da Borgonha, tive o prazer de experimentar seus vinhos acompanhado de outros enoblogueiros em São Paulo no Empório Vila Buarque, do amigo Marcelo di Morais, uma cortesia da importadora Santa Ceia de Vinhedo SP.
Ao todo foram seis vinhos, um rosé e cinco tintos, mas quero destacar nesse primeiro momento o Le Bon, vinho de entrada que leva o nome da emblemática cepa Pinot Noir no rótulo.
É característico em sua cor com um rubí vivo e translúcido! Deixa lágrimas espessas na taça e não apresenta halo aquoso demonstrando potencial para guarda.
O painel aromático é complexo! Com boa intensidade podemos sentir aromas animais e terrosos em primeiro plano, a evolução do conjunto traz chocolate com frutas vermelhas, couro e algo de café.
O ataque em boca é equilibrado! Corpo médio, retrogosto frutado e de boa persistência, taninos leves, macios porém presentes e marcantes e álcool correto, apenas 12,5 bem integrados a todo o conjunto.
Uma belíssima companhia para aves em geral, que tal pato com este vinho? Um perú também é uma boa opção... E pode ser guardado por mais uns dois ou três anos sem maiores problemas.
Enfim gostei muito deste borgonha, tem personalidade e é característico. Para muitos de nós que estamos tão acostumados com os Pinot's chilenos este vinho é um espetáculo a parte.
Forte Abraço!

Changyu, um Inusitado Vinho Chinês!!!

Tinto, Cabernet Gernischt, Cabernet Sauvignon
País: China
Changyu
O amigo e proprietário da Rosso Bianco, Tiago, nos convidou para uma experiência asiática. Estávamos lá eu e o gde Jean, O Tanino para esta inusitada missão.
Começamos a noite com um espumante italiano de Muller Thurgau, é isso mesmo... nada de vinho alemão... Italiano! Piera Martellozzo Espumante Bianco Incontri! Um espumante extra dry que foi super bem e serviu muito bem ao serviço de preparar o palato.
Então... lá estava ele, o inusitado!!! Garrafa bonita, rolha retirada e na taça apresentou cor rubí translúcida e poucas lágrimas.
O nariz começou com boa intensidade e complexidade, marcado pelo cravo e outras especiarias, pouca fruta e desenvolveu um toque herbáceo, mas não era agradável lembrava o engaço da uva... Enfim com o tempo o nariz perdeu qualidade...
Depois de uma boa experiência no nariz, na boca o vinho se mostrou magro, sem corpo e fugaz, apesar da correção dos taninos.
Bom... foi uma experiência bacana, apesar do vinho não ser dos melhores. Mas sempre é legal conhecer coisas novas e agradeço ao Tiago pela oportunidade. Para quem não conhece a Rosso Bianco fica em Jundiaí e é uma loja com um portfólio bem legal! Vale a pena conhecer!
Forte Abraço!

Saint Clair Vicar's Choice Sauvignon Blanc 2007

Branco, Sauvignon Blanc
Nova Zelândia
Saint Clair - Marlborough
Preço: R$ 76
Os vinhos brancos são a grande qualidade da produção neozalandesa. Simplesmente fantásticos em todos os seus aspectos, os Sauvignon Blanc's neozalandeses devem ser experimentados e tidos como uma referência, são vinhos marcados pelos frescor e equilíbrio e muitas vezes surpreendem por terem uma longevidade não esperada nessa cepa.
É o caso desse! Um belo vinho e repleto das qualidades citadas acimas. Vale cada centavo e principalmente cada momento.
Na taça, mesmo com três anos de idade, apresenta cor amarelo palha, límpida e brilhante e com reflexo verde. Os aromas dominates são herbáceos reforçando o frescor do vinho. O painel ainda possuí frutas tropicais e brancas, com destaque para o maracujá, mais proeminente.
Na boca o ataque é fresco, leve... Com excelente acidez e boa persistência, este vinho é marcante! Álcool equilibrado ao conjunto e retrogosto confirmando o herbáceo e com bela persitência.
Uma boa pedida para camarões com molho de frutas cítricas como laranja ou maracujá. Pode ir bem com um camarão a Margherita também... E com certeza um vinho excelente para aquele fim de tarde de calor...
Forte Abraço!

Coronas Tempranillo 2004

Tinto, Tempranillo
País: Espanha
Miguel Torres
Preço: R$ 55
Este não é o vinho do mês da Confraria Brasileira de Enoblogs, o vinho sugerido pelo Marcus foi o Salamandra 2006. Porém dentro da nova proposta da Confraria, caso não encontremos o vinho sugerido podemos beber um da mesma uva e mesmo país... ainda sim eu fugí um pouco do preço objetivo... R$ 40...
Mas é que este Tempranillo da Catalunya estava implorando na minha adega e não resistí... E acho que o abrí em bom momento. Com 05 anos e meio de idade ele demonstrou maturidade, porém com um estilo mais comercial, lembrando um vinho do Novo Mundo.
Na taça apresentou cor rubí intensa e sem reflexos, mas o halo aquoso já é aparente dando sinais de sua idade. Lágrimas finas e ligeiras correram por toda a taça, porém o álcool não incomodou.
Os aromas remeteram a frutas negras bem maduras, como ameixa. Evoluíram e passaram por chocolate e um instigante balsâmico em dado momento.
Na boca o ataque foi macio e equilibrado. Com boa acidez, taninos maduros, corpo médio e razoável persistência,  este vinho se mostrou um bom companheiro para pratos em geral. Apreciei com uma carne na cerveja preta, mas podería ser com massas ou risotos. Uma excelente opção para um jantar descompromissado com os amigos.
Acredito que só encontremos disponível no mercado a safra 2006.
Forte Abraço!

Advertência

O conteúdo deste blog é destinado a maiores de 18 anos. Seja responsável, se beber não dirija!