Miolo Terroir 2005, o Melhor Merlot do Mundo! A Matéria da Época e os Detalhes que não Podemos Deixar Passar...

Dirceu Vianna Junior, Master of Wine, realizou um esstudo, uma tese, para conclusão do seu curo no Institute of Masters of Wine. Essa tese teve como tema a qualidade do vinho produzido a partir da Merlot em território tupiniquim e tudo isso além de uma entrevista com o próprio Dirceu foram tema para a matéria da Época. Você pode conhecer o conteúdo da entrevista clicando aqui, porém só terá acesso a entrevista o conteúdo restante só para assinantes Época ou se adquirir a revista, ok?.
Bom para evitar polemizar devemos nos ater a alguns pontos, primeiro é ótimo ver oito vinhos nacionais entre os 10 melhores do painel, mas nem por isso o Merlot Terroir 2005 é o melhor Melot do Mundo, isso é exagero. Claro que é um painel extenso que comtempla mais 10 regiões produtoras de Melot e todas elas de qualidade e que os degustadores são os melhores mas existem outras hipóteses que nos devem trazer mais humildade em relação a essa afirmação.
Segundo a faixa de preço comtemplava vinhos entre 5 e 15 libras, algo em torno de R$ 15 a R$ 45 no Brasil, porém em preços de atacado. Ou seja o consumidor final inglês não pagaría esses valores pelos vinhos. Temos que tomar cuidado também em afirmar então que nossos vinhos são os de melhor custo-benefício do mundo.
Depois dessas duas questões vamos as próprias palavras do Dirceu sobre o vinho nacional, abre aspas... "Seria uma falsa generalização e um erro grosseiro dizer que os vinhos brasileiros são os melhores do mundo. O que pode-se concluir é que em safras boas e respeitando um certa faixa de preço os vinhos brasileiros têm condições de ser tão bons ou melhores que vários importados."
Quando estudamos com detalhe a lista do Top Ten notamos que todos os vinhos são da safra 2005, que foi simplesmente a melhor safra que o Brasil já produziu, comparando com Chile, por exemplo, que tem um vinho no Top Ten, sendo este da safra 2006, uma safra boa mas não excepcional como a nossa.
Outro ponto abordado por Dirceu Vianna Jr foi a consistência da produção do vinho nacional que infelizmente não existe... "Por outro lado, a maioria dos 10 últimos colocados também eram vinhos brasileiros, demonstrando que ainda existe muito trabalho para ser feito até que a região apresente uma certa consistência."
Enfim ainda há referências a evoluções que nossos produtores devem fazer, tanto técnico como na manutenção dos vinhedos além da criação da DOC Vale dos Vinhedos que está sendo discutida. Também há informações interessantes sobre a melhor adaptação da Merlot ao nosso solo. É sim uma bela entrevista e cheia de conteúdo, como deve ser! Mas nào vamos sair falando mundo afora que nós somos o país da Merlot porque, como procurei demonstrar acima, nào somos.
Conclusão que eu tiro de tudo isso? É que o vinho nacional está melhorando mas tem muitos desafios pela frente. Esse estudo e tantos prêmios demonstram que nosso produtor vem evoluindo significativamente no quesito qualidade, apesar de não termos a consistência que precisamos ainda nos vinhos tintos. Consistência que já possuímos nos espumantes e já teríamos nos brancos se houvesse algum foco neles.
Enfim a primeira grande "via" para implantação da cultura do vinho no Brasil está sendo trilhada e está colhendo seus resultados. Mas infelizmente a segunda nem é comentada e nem discutida, talvez só por nós consumidores, que é como reduzir o preço do vinho nacional?
Forte Abraço!

11 comentários:

  1. Cristiano, você sabe muito bem que sou fã dos vinhos brasileiros. E não é por um bairrismo exagerado, é porque visitei mais de 20 vinícolas nacionais e sei das dificuldades enfrentadas em relação ao clima e aos tributos.

    Mas assino embaixo em relação ao que escreveu. Algumas pessoas estão pegando carona nessa reportagem da Época e fazendo afirmações ilógicas. Aliás, lógica foi o que não faltou ao seu raciocínio.

    Parabéns e forte abraço.

    VPT

    ResponderExcluir
  2. Cristiano, duro mesmo foi ver o blog da Ibravin anunciando a quatro ventos que temos 8 vinhos entre a lista dos melhores Merlot do mundo, sem cuidar de criterizar a coisa... http://www.vinhosdobrasil.com.br/blog.php?post=89. Pior do que isso: postei uma crítica ao bairrismo ensandecido e sem fundamento,mas se negaram a publicar... aiai. Coisas da seriedade brasileira na mídia virtual.

    ResponderExcluir
  3. VPT,

    Obrigado pelos elogios e agradeço o apoio.

    Elmo,

    o q dizer?

    Forte abraço!

    Cristiano

    ResponderExcluir
  4. Olá Cristiano!

    Muito interessante a sua crítica. Concordo com muito do que você escreveu, e também com o comentário do VPT! Mas não entedi o que você quis dizer neste comentário 'apesar de não termos a consistência que precisamos ainda nos vinhos tintos', se refere às diferenças de safra?

    ResponderExcluir
  5. Bruna,

    olá! Em relação a consistência estou falando mais dos produtores do que das safras. No estudo feito 08 dos 10 melhores merlot's são brasileiros, mas o Dirceu Vianna Jr, autor do estudo, também nos diz que na lista dos 10 piores, o Brasil é o país dominate também... uma pena.

    Lógico que variações de safra mudam o vinho mas o descuido na produção de muitos produtores ainda parece ser grande.

    Forte Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Cristiano! Realmente muitos produtores podem deixar a desejar, mas o descuido não é privilégio apenas dos brasileiros, está cheio de vinhos com defeitos por aí, argentinos, chilenos, franceses, italianos... Enfim, o tratamento e as exigência que fazemos aos nossos produtores (brasileiros) é o mesmo que fazemos aos demais?!

    ResponderExcluir
  7. Bruna,

    tenho certeza que muitos brasileiros acham o que é importado melhor simplesmente por ser importado.

    Mas no produto vinho de fato o vinho importado é melhor. Isso não quer dizer que não possamos alcançar o nível deles.

    Agora é preciso ter humildade e reconhecer que mesmo em safras ruins os chilenos, argentinos, italianos ou franceses conseguem produzir bons vinhos, vinhos de melhor nível que nós fazemos.

    Estamos aqui discutindo um artigo que mostra o nosso potencial mas nào esquece das nossas fragilidades, ainda grandes. E tem muita gente "pegando carona" e não pontuando as coisas como elas de fato foram relatadas.

    Tenho certeza que o Brasil encontrará sua vocação vinícola mais rápido que os europeus encontraram, mas existe um trabalho árduo a fazer ainda.

    Forte Abraço!

    ResponderExcluir
  8. Olá!

    Sou representante do Grupo EC, prestamos serviços na área de marketing digital.
    Estou pré-selecionando sites e blogs com POTENCIAL como o seu!!!! (tema relacionado com vinho),
    para trabalhar com a ( www.wine.com.br) , por gentileza entre em contato URGENTE!!!! Para maiores
    informações, através do email ou telefone: (11) 3207-6000

    Estou no aguardo.

    Atenciosamente,


    Renata Vida l França

    ResponderExcluir
  9. Renata,

    Boa Tarde!

    Obrigado pelo contato! Podes me contatar no seguinte e-mail:

    cristiano.orlandi@uol.com.br

    Grato!

    Cristiano

    ResponderExcluir
  10. Mon ami, nota DEZ!!!!! Tinha pensado em escrever sobre isso, mas depois de tão brilhante texto só me resta fazer uma apresentação e remeter para cá com um link. Grande texto cara!

    ResponderExcluir
  11. Pessoal,

    O Daniel entrevistou o Paul Hobbs e um enólogo deste calibre afirmou que não conhece os vinhos brasileiros...

    Vamos apostar no potencial da Merlot mas afirmar que somos a terra da Merlot não dá...

    Vejam a entrevista na íntegra:
    http://www.vinhosdecorte.com.br/entrevista-com-paul-hobbs/

    Forte Abraço!

    ResponderExcluir

Algum comentário? Fique a vontade!

Advertência

O conteúdo deste blog é destinado a maiores de 18 anos. Seja responsável, se beber não dirija!