Vai 2012... Vem 2013!!!


A todos os leitores e amigos deste blog, um Reveillon muito especial cercado de alegria e confraternização! Vamos deixar 2012 para trás e celebrar um novo ano, que se inicia com a esperança de muita felicidade, paz , harmonia e dinheiro no bolso! Afinal, precisamos comprar bons vinhos não? 
Aliás não esquece de abrir aquele espumante hoje!!! Deixo a foto de um dos meus preferidos! 
Brincadeiras a parte, esses são os sinceros votos deste blogger. 
Forte Abraço!

Montes Alpha Cabernet Sauvignon 2009, para Celebrar!!!


O fã do Vivendo Vinhos, Ruiter Arantes, me encaminhou uma mensagem pedindo que eu postasse uma foto deste excelente Montes Alpha Cabernet Sauvignon 2009. Bom... eu disse que tudo bem, mas que ele poderia me mandar um texto que eu publicaria junto, e olha só que agradável surpresa. O vinho comemorando e brindando a vida! 
"Três anos de casados... Apreciando um Cabernet Sauvignon - Montes Alpha 2009. Um dos mais fantásticos Cabernet chilenos, envelhecido durante 12 meses em barricas francesas, apresenta uma coloração rubi intensa, com aromas de frutas vermelhas... Ao paladar, revela-se um vinho encorpado, intrigante... desafiador! Com uma persistência duradoura e um final inesquecível. Inesquecível como todos os momentos ao lado de um grande amor deve ser..." 
É isso aí! Vamos brindar todas as alegrias! No fundo é para isso que uma boa garrafa de vinho serve! Para celebrar! Parabéns Ruiter e esposa! Que tenham muitos anos intensos e maravilhosos!
Forte abraço! 

O Apocalipse Maia - Epílogo

 
O dia 22 de dezembro amanheceu nublado por essas bandas. Com o passar das horas, o Sol foi dando o ar da graça e um suave calor foi tomando conta do primeiro dia pós Apocalipse. Um primeiro dia que espero que seja um novo começo, como realmente sugeria o calendário Maia, terminava uma era começava outra. 
E que esse novo começo seja marcado pela inteligência e capacidade que nós seres humanos possuímos, mas não só a capacidade racional como também a emocional, que a tolerância, a compreensão, o amor, a felicidade deixem de ser desejos. Que sejam os sentimentos que comandem a nossa razão em busca de um mundo mais saudável, um mundo melhor! 
Por aqui comecei certo que essa nova era está no ar! Acreditando que cada conquista e pequena vitória da vida deva ser comemorada escolhi passar o dia na companhia de minha esposa, sendo que quando a noite iniciava fizemos um churrasquinho e brindamos com um bom vinho. 
Medalhòes de Cordeiro
O churrasco trazia medalhões de cordeiro e Bife de Ancho, para acompanhar um vinho argentino? Seria mais do mesmo, então escolhi um Syrah chileno da minha adega, um vinho que trouxe da viagem que fiz em 2009, um vinho de uma vinícola que sou declaradamente fã, um vinho que traz a memória um belo passeio, um dia especial. 
O Casas Del Bosque Gran Reserva Syrah 2006 está em sua plenitude, com os conhecidos aromas de especiarias da Syrah, mas com notas mais evoluídas de terra e couro além de uma deliciosa fruta passada. Na boca já não tem tanta potência, o tempo trouxe elegância. Corpo médio, boa acidez, taninos finos e boa persistência, confirmando as frutas e uma pontinha de álcool esquentando o coração. 
Um belo vinho que não é a melhor harmonização para um churrasco, mas que é uma bela experiência como desejo que seja a vida! 
Forte Abraço!

O Apocalipse Maia - Capítulo XI - Monastrell e uma Noite Tranquila!

 
Era o dia do fim! O fim de uma era, o fim do mundo! Impiedosamente choveu no fim da tarde, o clima suavemente esfriou, perfeito para um descanso com uma boa garrafa de vinho tinto na taça! E assim foi... 
O escolhido foi um vinho espanhol da região de Jumilla, um Monastrell... o Altos de La Hoya 2008 é um vinho que gosto muito, especialmente acompanhado de presunto cru, o que infelizmente não foi o caso desta noite, o que não faz dela menos especial... 
De cor rubi intensa, um vinho 'chorão' definitivamente com muitas lágrimas correndo pelas paredes da taça... Aromas secundário dominando o painel, como especiarias, pimenta, frutas passadas, carne e terra molhada. 
Na boca volume, boa acidez e suave calor. Um vinho potente que acompanhara pratos intensos com facilidade. Que tal com uma porcheta??? 
Bom, mas no meu caso ele só acompanhou uma noite serena e tranquila, talvez marcando não o fim, mas sim o começo de algo melhor... o futuro dirá! 
Forte Abraço!

O Apocalipse Maia - Capítulo X - Quarta Insana & o Vinho do Fim!!

Loucuras do trabalho a parte, eu estava recebendo dois bons amigos nesta quarta que passou! Hora de "puxar" umas garrafinhas da adega... Eles estavam esperando... afinal estão acompanhando minha saga até o fatídico dia final, 21/dez!!! 
Começamos com a Champagne Tsarine Rosé Brut, linda cor que lembra casca de cebola, perlade fino e intenso, aromas de brioche e frutas secas, na boca elegância! Muito agradável, para o mundo acabar bem... 
Enquanto o churrasco rolava e brindávamos com champa, o Decanter já estava repleto de Cygnus Nero D'Avola/Cabernet Sauvignon 2001, um vinho que está no auge! Cor rubí intensa, aromas de frutas passadas, destaque para ameixas e tâmaras, e na boca um vinho de corpo médio, boa acidez e muito sabor! Envolvente, confirma as frutas secas com muita persistência. Um espetáculo! 

Continuamos com um vinho emblemático nesses dias caóticos, Bodegas de Fin del Mundo Special Blend 2004! O vinho do fim! Este corte bordalês repousou por alguns anos na minha adega e agora despertou com a intensidade do Novo Mundo e surpreendente elegância! Cor rubí, aromas de doces de frutas como bananada, chocolate e cacau. E na boca um vinho de muita presença e complexidade, com várias camadas de sabor e que harmonizou com os amigos e com o Bife de Ancho, é claro! 

E aí a insanidade tomou conta de nós! Já bastava, mas não! "A noite nunca tem fim!" Abrimos mais um vinho, um sempre confiável Quinta do Cabriz Reserva 2008, um Touriga Nacional típico! Com bom corpo, intenso e equilibrado. Aromas de frutas vermelhas e florais, para fechar a noite com mais tranquilidade... Estava tão bom que nem foto tirei...
Forte Abraço!

O Apocalipse Maia - Capítulo IX - Harmonizando Vinho com o Calor!

 
Depois de um final de semana turbulento, cheio de afazeres e pouco tempo para vinho... Mas estamos a beira do fim e tenho certeza que Huracán se prepara para varrer o mundo com sua fúria avassaladora, então não poderia continuar nesse ritmo, é preciso acelerar pois não sabemos se haverá amanhã!!!
Posto isso nesta terça, a 03 dias do fim, rumei para a churrasqueira com uma peça de picanha e um calor enorme a minha volta. O churrasco é um momento sagrado aqui em casa, é quase um ritual de adoração aos prazeres da carne. Só que o calor era forte e decidi harmonizar o vinho com o tempo e não com o prato...

Brasa feita, picanha na grelha e Valmarino & Churchill Extra Brut 2009 no balde gelado, sorriso no rosto e taça em riste! Esse espumante, pra mim, é um dos melhores do Brasil na sua faixa de preço (R$ 50). Alia corpo e frescor, fruta e fermentação, prazer e seriedade. Perfeito para todos os momentos!
Perlage intenso e fino, cor amarelo-palha com reflexo dourado, aromas de fermentação como pão e queijo, com deliciosa nota de abacaxi em calda dando o ar da graça com o tempo. Na boca é seco, mas cremoso! Cheio de sabor e persistência.
Muito bom! Há 03 dias do fim, melhor ainda!
Forte Abraço!

O Apocalipse Maia - Capítulo VIII - Sexta, Simplicidade & Ancellotta!!!


E chegou mais uma sexta, a penúltima... depois de uma noite de confraternização com os colegas de trabalho e uma outra de tentativa de confraternização com o amigo Alexandre Frias, que no final, infelizmente não rolou... 
Enfim, chegou o momento de relaxar, bendita sexta-feira! A noite começou com uma chuva leve para refrescar o calor sufocante dos últimos dias... a correria não permitiu elaborar um jantar a altura da suave brisa que batia, mas trouxe a oportunidade de lembrar que a vida é feita de coisas simples... 
Eu sempre quero o prato mais elaborado, a comida mais sofisticada, o vinho mais evoluído... mas admito que muitas vezes é só vaidade...  posso dizer, por essa sexta, que muitas vezes o que precisamos é a companhia de um vinho amigo, simples e bem feito! 
Como é o Dal Pizzol Ancellotta 2008, um vinho marcado pelos aromas e sabores de ameixa seca, amplo e harmônico em boca, e ainda fácil de beber... Um belo vinho feito com a melhor qualidade: simplicidade! 
Acompanhou pão com porpetas... simples também! Acho que o Apocalipse fez eu me lembrar que os grandes prazeres estão nos pequenos prazeres da vida... 
Forte Abraço!

O Apocalipse Maia - Capítulo VII - Faltando 10 Dias para o Fim, Só Champa Salva!


É verdade, faltam só 10 dias para o Apocalipse Maia! Oh, Deuses! O que fazer? Melhor curtir cada momento até o fim, não? Então vamos nesse espírito que quem sabe os Deuses criadores não possam ter misericórdia... 
Sendo assim, depois de um mais um longo dia de trabalho cheguei a minha residência... um jantar rápido, pizza, a preferida aqui em casa... e??? Nesse calor, faltando 10 dias para o mundo acabar... só Champa mesmo, não é? 
Na taça Champagne Irroy Brut! Boa companhia para combater o calor! Uma Champa mais cítrica, marcada pelos aromas e sabores de damasco seco, sem deixar aquele toque de fermentação de lado. Boa presença em boca, definitivamente persistente! 
Refrescou legal! Mas me fez pensar, seriam todos esses dias um verdadeiro Purgatório até o dia 21? 
Forte Abraço!

O Apocalipse Maia - Capítulo VI - Domingo, Calor, Bacalhau & Rosé Português!


O domingo chegou! Atribulado por uma série de coisas da vida, mas o final da tarde reservava os "melhores momentos" de um Domingo acalorado... 
Eram 17hs quando eu e minha esposa chegamos, logo já estávamos na cozinha preparando o merecido jantar. Durante o dia deixei o bacalhau dessalgando. Os planos eram para um escondidinho. 
Em pouco mais de 01 hora o purê de batatas estava pronto e bacalhau refogado, então foi só enformar e levar ao forno por 20 minutos. eu queria beber com um grande vinho tinto português, do Alentejo com eu gosto com Bacalhau, mas com esse calor não dá! 

Então escolhi um rosé português, é lógico! Da Península de Setúbal, um corte de Castelão, Aragonês e Trincadeira, o Bastardo 2011 é um vinho cheio de espírito como seu produtor insinua. 
Um rosé menos aromático que os novo-mundistas, mas com personalidade, cerejas e açúcar mascavo ao nariz, na boca, médio corpo, boa acidez e persistência, escorrega fácil... Perfeito para o calor, pratos leves e saladas com frutas. 
Em relação ao Escondidinho de Bacalhau, acompanhou e valorizou o prato, mas faltou intensidade para suportar o sabor acentuado do peixe.
Com certeza uma noite para acalmar o espírito e o clamor dos Deuses Maias. 
Forte Abraço!

O Apocalipse Maia - Capítulo V - Sexta em Branco, Bordeaux Branco!


Eu prometi que não cometeria mais a heresia de ficar sem uma taça de vinho até o dia 21 e na última quinta eu falhei! Portanto eu precisava me recuperar nessa sexta que passou e assim fiz... 
Inspirado em Huracán, Deus do vento, tempestade e fogo, parti do trabalho 'voando' para o supermercado e de lá para casa. Já na cozinha, lavei e piquei os aspargos, também piquei o bacon e o queijo brie e, por fim, temperei os camarões. 
Ingredientes prontos para meu Tagliarini de Camarões ao Molho de Brie, faltava escolher o vinho, e optei por um Bordeaux Branco que me agradou muito durante o ano, o La Graviére Bellefond 2009. 
Trata-se de um corte de Sauvignon Blanc e Semillon, um vinho equilibrado e com suave untuosidade em boca. Diferente dos Sauvignon's Blanc do Novo Mundo, muito vivos e até rustícos, esse é um vinho que traz elegância a taça, sem perder uma boa acidez e a vocaçào gastronômica, foi um belo par para o Tagliarini! 
Acho que fui perdoado pelos Deuses e seguirei firme minha derradeira missão! Rumo ao Apocalipse... 
Forte Abraço!

O Apocalipse Maia - Capítulo IV - Passei a Quinta em Branco!


A quinta-feira foi brava, um dia corrido, sem tempo para almoço, jantar... reuniões, trânsito e ligações me consumiram! Um dia de muito trabalho, como para tantos de nós, mortais, reles mortais! Garanto aos amigos que conforme o tempo passava minha vontade de beber uma boa taça crescia! Assim como meu temor em relação aos Deuses, não estava cumprindo minha promessa...
E para piorar uns amigos meus acharam que Amarone virou água! Eles experimentaram uma meia dúzia, e no twitter postaram foto por foto... Meu desespero aumentava... Foi assim, um dia em branco, uma noite sem uma boa garrafa de vinho, que os Deuses Maias me perdoem! Mas hoje eu prometo que vou à forra!
Forte Abraço!

O Apocalipse Maia - Capítulo III - Porque Quarta é Dia de Brut Millésime!


Nem mesmo os Deuses Maias podem negar a magia dos Champagnes, para eles uma heresia, magia negra! Mas para nós, mortais, o Champagne é relamente mágico, capaz de transformar qualquer dia num dia especial. 
E nesta noite de quarta-feira assim foi... acompanhado de meu amigo Emerson, abri uma Vollereaux 2005, um belíssimo Champagne, feito para grandes pratos ou para simplicidade do entardecer cercado de queijos é claro! 

De cor amarelo suavemente dourado, perlage fino, intenso e persistente! Aromas que começam em frutas cítricas maduras e passam por cogumelos, pão tostado, fermento e queijos brancos.  
Na boca manteve a cremosidade apesar da boa acidez. Retrogosto fermentado, persistente, que harmonizou muito bem com o Gouda curado. Um espetáculo de sabor.
Uma quarta encalorada, difícil, cheia de alternativas, que terminou com a magia de uma taça de Champagne, Brut Millésime. Impressionante como uma taça de Champa deixa a gente feliz, não? 
O que será que os Deuses criadores pensam disso? 
Forte Abraço!

O Apocalipse Maia - Capítulo II - Terça Light, Japa Food & Chardonnay Argentino


Não era o que eu pretendia para esta noite, mas foi muito melhor do que pensava quando escolhi o vinho em que pese ele não harmonizar com "Japa Food". 
Foi uma terça corriqueira, comum... serviço nas alturas e calor insuportável, só um prévia do verão, eu diria! Mas a frustração aumentou com o entardecer, tinha 'programado' uma degustação harmonizada para esta noite, determinado prato com determinado vinho, a fim de honrar Tepeu, Deus do Céu, um dos três primeiros criadores. 
Mas a civilização ocidental estava contra mim! Nada dos ingredientes que eu queria... só um deles, que adormeceria esperando a sorte noutro dia... 
Minha esposa chegaria tarde e eu desisti de fazer o jantar, acabamos optando por sair e ir ao Tribo - Sucos & Saladas aqui em Jundiaí, lugarzinho 'transado'e light da cidade, tem foco em saladas e lanches naturais. Recentemente mudou-se de endereço e agora dispõe de um sushi man e algumas opções de 'Japa Food'. 

Temaki de Salmão com Nachos
Chegando lá, me bateu aquele medo de falhar com a minha promessa e com Tepeu. Perguntei por vinho, poucas opções é verdade, mas existia uma meia-garrafa de Tilia Chardonnay 2009, por que não arriscar? Não era o grande vinho que almejava, mas era intrigante àquela altura... seria um sinal dos céus? 
Talvez não fosse, já que o corpo do vinho superou a estrutura da comida japonesa, tando do Temaki como do Hot Ebishake. Como diria meu amigo Alexandre Frias, "o vinho atropelou!" 



Porém, por outro lado, o vinho estava inteiro, demonstrando todo potencial de envelhecimento da Chardonnay, mesmo em vinhos mais simples e armazenado em meia garrafa. 
De cor amarelo palha, apresentou discretos aromas de frutas cítricas e brancas maduras, lembrava carambola e pêssego. Impressionou a nota de evolução persistente que trazia açúcar mascavo repetidamente ao nariz. 
Na boca bom corpo, moderada acidez, persistência razoável com retrogosto frutado e suave doçura. Um vinho simples que agradaria gregos e troianos, se me permitem os Deuses Maias. 
Obrigado Tepeu, Deus do Céu, por me mostrar que sempre haverá um vinho para nos surpreender! 
Forte Abraço!

O Apocalipse Maia - Capítulo I - Um Vinho Nacional em Plena Segunda-Feira! #cbe


Foi uma segunda como qualquer outra, chata! Doida para me recolocar no ritmo rotineiro do trabalho, mas eu estava um tanto inquieto... Com aquela necessidade desmedida de me agradar além de respeitar os Deuses Maias do Apocalipse. 
Decidi que começaria escolhendo um bom vinho nacional, em que pese todas as minhas dúvidas e questionamentos em relação a qualidade média do vinho brasileiro, não posso negar que há bons rótulos há nossa disposição. 
E ainda inspirado pelo tema da Confraria Brasileira de Enoblogs (CBE), escolhido pelo amigo Déco Rossi: "Cabernet Franc do Novo Mundo, até R$ 150", escolhi este vinho da Valmarino, o Cabernet Franc XIII 2008. 
Já era tempo de escolher o jantar para acompanhar, optei por um Taglarini com Corações de Frango e Molho de Cerveja. Posto isso fui as compras rapidamente e por volta das 20hs já me encontrava na cozinha, depois de cerca de 01 hr o prato estava pronto. Deixei o vinho decantar por 20 minutos. 
De cor rubí intensa, o vinho mostrou ao nariz aromas de especiarias como cravo e defumados logo no início, com o agitar da taça a fruta sobressaiu com jabuticaba e cerejas, o tempo trouxe chocolate e tâmaras. 
Na boca um vinho elegante, corpo médio, boa acidez, retrogosto confirmando as especiarias e taninos volumosos mas finos, foram 17 meses bem trabalhados de estágio em carvalho. Como disse um belo vinho nacional! 
Fez um bom papel com o prato, encontrando no sabor acentuado do molho seu melhor momento! Uma boa integração entre taninos, acidez e a cremosidade do molho, ressaltando ainda mais a fruta e doçura do vinho. 
A semana começou bem, talvez os Deuses Maias me poupem... 
Forte Abraço!

O Apocalipse Maia - Prólogo


A profecia que o mundo acabará no dia 21 de dezembro tem seus seguidores por todo o mundo, eu, pelo pouco que li sobre o assunto, estou convencido que há uma mistura muito grande de culturas para chegar na interpretação que o mundo irá acabar no fim do mês. 
Mas como "gato escaldado tem medo de água fria"... achei melhor começar a olhar minha adega com atenção e pensar no que beber nesses dias, vai que são os últimos... Sei lá! Parece um clamor dos astros pelos pecados da mesa e de Baco. 
Ontem mesmo, quando estava com o amigo Jean (O Tanino), literalmente, a rolha do Champagne saiu pelos ares só no afrouxar da gaiola que a prendia, foi o sinal que precisava para seguir adiante...
Portanto decidi que aqueles vinhos, há muito esquecidos, e mesmo outros, 'moradores' mais  recentes da minha adega, terão sua chance nesse mês de dezembro. A ideia é simples: abrir um grande vinho de cada país vinícola do mundo até o dia 21.  
E se algum amigo leitor deste pequeno blog quiser me acompanhar nesta jornada até o Apocalipse, basta enviar um e-mail para contato@vivendovinhos.com, que publicarei seu texto sobre um grande vinho a beira do fim!
Forte Abraço!

Cave Geisse Blanc de Blanc 2009

Foto: Diário de Baco
Noite dessas em Jundiaí, Mario e Rodrigo Geisse estiveram apresentando seus novos espumantes na Churrascaria da Fazenda. Entre eles estava o famoso Champagne que a família Geisse produziu em parceira com a Dumont. 
Mas me deixe contar sobre o espumante que me chamou a atenção naquela noite foi o Blanc de Blanc 2009, 100% Chardonnay, novidade que está sendo lançada no mercado. Admito que fiquei empolgado com a qualidade desse espumante! Muito agradável em boca, aliando frescor e cremosidade. 
Tem cor amarelo palha e perlage fino, intenso e persistente. Os aromas remeteram a frutas cítricas em calda, como abacaxí e laranja, um toque de especiarias como anis também se fez presente. Mas interessante mesmo foi a nota mineral, uma lembrança de giz que surgiu com o tempo na taça. 
Na boca o abacaxí se mostrou presente e persistente no retrogosto, um espumante de acidez profunda e belo corpo, para acompanhar os melhores frutos do mar! 
Forte Abraço!

Estrelas do Brasil Brut

foto: Vinho para Todos
Já faz algum tempo que experimentei esse espumante com meus bons amigos Gil, Erika, Claudio e Rafaela (Vinho para Todos e Le Vin au Blog). Mas como esquecer dele quando estava em tão agradável companhia! Foi o primeiro vinho daquela tarde-noite... 
Um espumante com uma proposta séria, digamos assim! Não é simples de beber, não dá para ficar bebendo ele com aperitivos, ou a beira da piscina, de forma despretensiosa e refrescante. 
Tem um visual amarelo dourado impactante! Perlage muito intenso. Os aromas denotam sua complexidade com notas de torrefação, açúcar mascavo, melaço, rapadura, queijos brancos e notas de oxidação. 
Na boca apresenta muita estrutura e boa acidez, tirando dele frescor e valorizando a complexidade de sabores e aromas. Um espumante que forma um belo mousse em boca, com retrogosto perene, valorizando as notas de melaço. Complexo! 
Na minha visão um espumante para acompanhar pratos com queijos, como um risoto de aspargos e brie. É preciso um pouco mais de cremosidade no prato. 
Um bom espumante, mas que não é para todos os momentos.
Forte Abraço!

Argentina: Cabernet Sauvignon ou Malbec???

É no mínimo pretensioso da minha parte fazer essa pergunta, mas... tenho ficado muito satisfeito com os varietais de Cabernet Sauvignon argentinos que tenho experimentado, especialmente os de linhas mais básicas os chamados vinhos de ‘entrada’ das vinícolas hermanas.
Eu já estava com esse sentimento que nos vinhos argentinos abaixo de R$ 50 tínhamos exemplares melhores de Cabernet Sauvignon, quando o amigo João Filipe Clemente promoveu um embate entre Cabernet e Malbec da Sottano.
E na linha inicial de vinhos (Classico) foi quase unânime, entre 10 wine bloggers, que o Cabernet era um vinho mais harmônico e agradável. Fique também registrado aqui que na linha Reserva de Família, mais alta dentro da escala proposta pela vinícola, o Malbec foi o melhor para a maioria.Mas aquele sentimento que tenho, se fortaleceu!
E os amigos, o que acham? Os Cabernet´s argentinos abaixo de R$ 50 estão valendo mais a pena?
Forte Abraço!

As Incríveis Champagnes Vollereaux!

www.chezfrance.com.br
Tive a oportunidade ao longo desse ano de experimentar algumas vezes as Champas Vollereaux e posso afirmar que realmente são excelentes produtos e ainda com um preço incrível! Certamente são boas compras. 
Victor Vollereaux engarrafou sua primeira Champagne em 1923 e de lá para cá, já são 06 as gerações que cuidam ou cuidaram desse negócio familiar e secular. A Maison Vollereaux fica em em Pierry. Atualmente temos 03 Champagnes Vollereaux disponíveis no mercado brasileiro, importadas pela Chez France
A Champagne Vollereux Brut, é um corte clássico da região, com Chardonnay, Pinot Noir e Pinot Meunier, segundo o produtor é um vinho para todos os momentos. Eu discordo um pouquinho... acho mais adequado para pescados e entradas. 
Este é um espumante muito franco e frutado, destacando especialmente as frutas cítricas como abacaxi maduro. Com o tempo demonstra sua origem, através de uma nota de fermentação bem perceptível ao nariz, lembra queijos brancos. 
A Rosé de Saignée Brut é um Champagne feito exclusivamente com Pinot Noir, aromaticamente é discreto apresentando flores e frutos vermelhos, tem boa presença em boca, sendo encorpado, com excelente acidez e perene, acredito que é um belo par para um fim de tarde ensolarado e camarões, se não for sonhar demais... 
E por fim o Brut Cuvée Tradition Millésime 2005! Um espumante inesquecível! Complexo e elegante, marcado pelos aromas de brie, cogumelos e frutas cítricas, mas sem ser pesado em boca, com boa leveza, muita untuosidade e grande persistência.

Dal Pizzol Brut Traditionelle & Camarão no Abacaxi!


Quarta-feira é dia para um grande jantar, não? Foi assim numa dessas que passou... Escolhi um vinho da minha última viagem ao Sul, um espumante da Dal Pizzol. Provei por lá e gostei! Era hora de experimentar com tranquilidade... 
Decidido o vinho, fui em busca dos ingredientes... decidi fazer um camarão no abacaxi. Com alguns temperos orientais, digamos assim... como curry, pimenta cayena e canela... Fica um espetáculo de sabor! Misturando a acidez e doçura da fruta com os temperos tão característicos e camarões. 
Um espumante não é a harmonização ideal para pratos asiáticos, prefiro os Brancos do Rhône, a base de Viognier ou um bom Gewurztraminer alsaciano, mas o Brut Traditionelle enfrentou bem o prato com sua acidez franca! A característica cítrica e a ponta doce casaram bem com o abacaxi, enfim foi muito bem! Para ser repetido!  
Um detalhe, apenas, este é um espumante elaborado com Chardonnay, Pinot Noir e Sylvaner, as duas primeiras muito tradicionais para a elaboração dos espumantes, mas a última digamos que é uma presença inusitada!
Bom, nem preciso dizer que a noite foi ótima, boa comida e bom espumante! E ainda ganhei o sorriso da minha esposa, quer mais? A foto, é claro! 
Forte Abraço!

Geiser Tatio Reserva Chardonnay 2010


Comprei este Chardonnay na Sonoma, novo site de compras que está no ar por alguns meses. Como sempre aqui em casa, foi acompanhado de um bom prato a mesa, dessa vez tivemos Sobrecoxas de Frango em Crosta de Damasco e Macadâmia. 
Esse Chardonnay vem do Valle do Maule, é frutado sem aquela presença de madeira característica dos chard's chilenos. E casou bem com as sobrecoxas que assei por duas horas, especialmente com a geleia de damasco que foi base da crosta de macadâmia. 
Na taça um vinho de coloração amarelo palha brilhante, aromas discretos e frutados, destaque para o abacaxi. Na boca corpo médio, boa acidez e retrogosto frutado. Boa persistência! Certamente um vinho gastronômico. Bela compra a R$ 36. 
Forte Abraço!

Degustando por Aí!!! Almaúnica


Na sequência da minha última visita a Serra Gaúcha visitei a Almaúnica com o amigo Tiago Bulla, Universo dos Vinhos. Fomos recebidos pelo espontâneo e competente Marcio Brandelli. 
Fizemos um rápido tour pela vinícola com Marcio e também rapidamente pudemos perceber a seriedade do projeto. Logo nos conduzimos a sala de degustação. Lá provamos 01 espumante e 03 tintos. 
O espumante foi o Nature, recém lançado. Perlage intenso, boa complexidade aromática, na boca bom corpo e cremosidade, gostaria que fosse um pouco mais persistente. 
Dos tintos gostei muito do Syrah 2011, um vinho com aromas de especiarias em destaque, ótimo corpo e boa acidez! Tem vocação gastronômica... 
Também passou pela minha taça o vinho premium da casa, o Quatro Castas (Merlot, Syrah, Malbec e Cabernet Sauvignon), um vinho de estilo moderno, marcado pela potência da fruta aliada a estrutura da madeira, tenho certeza que numa degustação as cegas teria ainda mais fãs. 
Por fim retornamos a sala de barricas e pudemos experimentar o Merlot 2012 direto da barrica, amostra que foi muito bem na Avaliação Nacional de Vinhos deste ano e que deve ser lançado durante a Copa de 2014.
Brandelli extraindo amostra do Merlot 2012

O vinho demonstrou muita força e rusticidade ainda, muita concentração como esperado, grande volume tânico ainda áspero. Me parece que com o descanso na madeira vai ganhar muita complexidade e será uma bela aquisição. 
A visita a Almaúnica é assim, objetiva e prazerosa!
Forte Abraço!

Degustando por Aí!!! Dal Pizzol


Num desses feriados que passou estive na Serra Gaúcha e aproveitei para dar um pulo no Vale dos Vinhedos e conhecer dois produtores nacionais, comecei pela Dal Pizzol! Fiz essa viagem com o amigo Tiago Bulla, Universo dos Vinhos.
Mais precisamente visitei o Parque Temático da Dal Pizzol, área de oito hectares destinada ao enoturismo. Por lá encontramos uma área verde e florida, com alguns lagos, muitas aves e que tem como destaque a bela sala do varejo, os espaços "Memória do Vinho" e o Vinhedo do Mundo.  

Comecemos por estes espaços que zelam pela história do vinho, espalhados pela propriedade encontramos vários equipamentos vitivinícolas antigos, todos com placas explicativas sobre os equipamentos, mas sería mais legal ver esta história toda, em uma visita guiada, para a Dal Pizzol pensar... 

O Vinhedo do Mundo conta com o apoio da Embrapa e da Gerdau e apresenta uvas de 23 países onde com atenção podemos notar diferenças no tamanho das folhas, na quantidade de cachos, o que pode nos dar uma noção da produtividade de cada variedade, mas com certeza é divertido conhecer algumas variedades de nomes mais exóticos. 

No varejo experimentamos muitos vinhos, para mim houveram 03 destaques, o Cabernet Franc DO Lugar 2011, vinho de corpo médio, frutado e agradável, fácil de beber e que na minha opinião pode acompanhar qualquer refeição. 
O Espumante Dal Pizzol Brut Tradicional é excelente, tem ótima acidez, corpo médio, aromas de frutas cítricas maduras, cogumelos e notas de fermentação. Na boca forma uma bela mousse e tem final pronunciado. 
Me chamou a atenção ainda o Dal Pizzol Tannat 2008, vinho de cor e aromas intensos de frutas vermelhas e negras maduras, grande volume em boca, com taninos macios e boa persistência. Ótima compra! 
Forte Abraço!

Celebrando com Cor 2008


Ganhei esta garrafa num sorteio quando participei de uma degustação promovida pela amigo Gustavo do Enoleigos. Ficou algum tempo na minha adega e finalmente o provei num almoço de domingo com a família. 
Foi uma excelente surpresa! Realmente o vinho honra seu rótulo e contra-rótulo que convida o consumidor a celebrar a vida com arte e de forma descontraída. 
Demostrou maturidade com sua cor rubi vibrante sem reflexos, aromas de especiarias marcantes como pimenta preta, canela e cravo. As frutas vermelhas estavam maduras mas bem discretas. Na boca corpo médio, boa acidez, taninos finos e macios e razoável persistência. Enfim, um vinho simples e agradável! Foi muito bem com macarronada ao sugo e porpetas. 
E não é coincidência ser mais um vinho brasileiro bem feito a partir do corte de Merlot e Cabernet Sauvignon, para os produtores nacionais pensarem... 
Por fim, uma opinião, eu não concordo com essa história que a uva emblemática do Brasil é a Merlot, prefiro muito mais os cortes nacionais com uvas de origem bordalesa, normalmente tem maior equilíbrio e também maior longevidade. 
Forte Abraço!

É nesse Sábado!!! Encontro de Vinhos Curitiba


Meus amigos, é sempre um prazer poder participar de um evento de vinhos, seja ele uma feira, degustação ou jantar harmonizado. Mas quando este evento acontece na sua (no caso, minha) cidade natal participar se torna um privilégio! 
E assim será neste sábado! Estarei visitando Curitiba, revendo meus familiares e participando do último Encontro de Vinhos do ano, o primeiro que acontece em Curitiba. Para os amigos curitibanos posso dizer que esta feira é descontraída recheada de bons produtores e importadoras surpreendentes. 
O evento ocorrerá no tradicional Hotel Bourbon, das 14hs as 22hs, os convites saem por R$ 60, quem sabe não nos encontramos por lá? 
Forte abraço!

Pizzorno Reserva Sauvigon Blanc 2011


Trouxe esse vinho na mala quando visitei o Uruguai em março. Comprei diretamente na vinícola, numa manhã agradável que passei com Carlos Pizzorno e o amigo Alexandre Frias
Quando o experimentei naquela manhã tive duas surpresas, a primeira que 30% do vinho passa por barricas francesas novas e a segunda foi uma certa untuosidade na boca, provavelmente oriunda deste estágio em madeira. 
Bom, estava eu a preparar algumas lulas recheadas quando decidi por abrir este vinho, e as sensações se repetiram! Amarelo palha com leve reflexo esverdeado, aromas de frutas cítricas maduras como maçã verde e maracujá além de algumas notas herbáceas. 
Na boca boa presença e equilíbrio. Boa acidez, corpo médio, suave untuosidade e persistência. Casou bem com as lulas recheadas com palmito e camarões. 
No Brasil é comercializado pela Grand Cru por R$ 65.
Forte Abraço!

Salvaguarda cai! Bom para o Consumidor?

Aconteceu! Enfim a Salvaguarda caiu, o que sem dúvida é uma boa notícia para o bolso do enófilo apaixonado como eu e você, meu amigo (a). Mas admito que fiquei com algumas dúvidas... estou um tanto cético! 
Me perdoem os amigos e otimistas, mas eu fiquei um pouco incomodado com a notícia que todo o empresariado ligado a comercialização do vinho fez um acordo de cooperação para que fosse retirado o pedido de Salvaguarda. 
O objetivo deste acordo é dobrar a venda de vinhos finos brasileiros em 04 anos. Sairíamos de 19 milhões de litros para 40 milhões!!! É um baita esforço, hein!!!
Espero que seja um sucesso, pelo bem de todos, mas desconfio! Não me pareceu um acordo natural, digamos assim... e já dizia minha avó: "o que nasce errado, termina errado". 
Espero estar equivocado, mas se esses números não forem alcançados tenho a impressão que nós enófilos voltaremos a falar em protecionismo no mercado do vinho. Portanto prefiro aguardar mais um tempo para cravar que esta notícia é boa para o consumidor!
Segue comunicado da Ibravin na íntegra! 
Compromisso assumido entre as partes é de aumentar o consumo per capita de 1,9 para 2,5 litros até 2016. Em conjunto, todos os elos da cadeia terão como meta ampliar venda de vinhos finos brasileiros de 19 para 40 milhões de litros em quatro anos. 
Acordo de cooperação entre os produtores de vinhos brasileiros e as principais associações de importadores, formalizado na última sexta-feira (19), em Brasília, no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), estabelece medidas para o crescimento do mercado de vinhos finos no Brasil bem como a ampliação do volume de produtos nacionais. O anúncio oficial foi feito nesta segunda-feira (22), em entrevista coletiva na sede da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), em São Paulo. A Abras, a Associação Brasileira de Bebidas (Abrabe) e a Associação Brasileira dos Exportadores e Importadores de Alimentos e Bebidas (Abba), em conjunto com as entidades vitivinícolas brasileiras, estabeleceram diversas metas que serão desenvolvidas e acompanhadas por um grupo de trabalho formado por profissionais das entidades. 
O acordo prevê a cooperação entre as partes para ampliação do consumo, redução dos tributos incidentes sobre o vinho, bem como apoio para os pedidos do setor de securitização das dívidas agrícolas e redução dos estoques de produtos vitivinícolas. Mas as partes também assumem compromissos pontuais. As associações representativas dos importadores de vinhos comprometem-se a buscar a ampliação para 25% da presença de vinhos finos brasileiros nas redes dos supermercados e para 15% nos demais estabelecimentos varejistas por meio de parcerias entre importadores e vinícolas nacionais. O objetivo destas ações é buscar a comercialização de 27 milhões de litros de vinhos finos brasileiros em 2013 crescendo paulatinamente até atingir 40 milhões de litros em 2016. 
Já o Ibravin e as entidades vitivinícolas representantes dos produtores brasileiros comunicaram ao governo a retirada do pedido de Salvaguarda que estava em análise no Departamento de Defesa Comercial (DECOM/MDIC) e comprometem-se a cessar quaisquer ações que visem à criação de barreiras tarifárias e/ou não tarifárias à importação de vinhos finos e ainda a manter os investimentos em marketing, qualificação da produção e aumento da competitividade que estavam previstos no Plano de Ajustes do processo de Salvaguarda. 
Da parte do setor de supermercados, o compromisso é de trabalhar para a ampliação do espaço de exposição e promoção dos vinhos finos nacionais nas lojas. 
O presidente do Conselho Deliberativo do Ibravin, Alceu Dalle Molle, considera este acordo de cooperação “um avanço importante em prol do desenvolvimento do mercado de vinhos no Brasil, que vai possibilitar um crescimento sustentável da produção brasileira de vinhos finos”. 
Para o presidente da Abras, Sussumu Honda, quem sai ganhando com o acordo é o consumidor. “O consumidor brasileiro está cada vez mais apreciando bons vinhos, nacionais e importados. O bom sortimento de produtos nas gôndolas é essencial e esse acordo vem para dar ainda mais vitalidade a essa escolha, sem restrição. Vamos promover nossa indústria, ampliar sua competitividade, mas garantindo o melhor mix nacional e internacional de vinhos nos supermercados.”

Château Pontet Barrail 2009

foto: www.vinhoparatodos.com
Esse foi o outro Bordeaux que levei na visita que fiz ao amigo Gil Mesquita (Vinho Para Todos). Trata-se de um vinho do Médoc, corte de Cabernet Sauvignon e Merlot, que teve dois momentos enquanto o bebíamos. 
O primeiro foi um tanto frustrante... logo que servi o vinho o álcool predominou na taça! Principalmente nos aromas mas também ao paladar. Com isso decidi decantar o restante da garrafa e acertei em cheio! 
A oxigenação fez muito bem ao vinho que verdadeiramente era outro na taça! Aromas de frutas negras maduras, cassis, jabuticaba, etc, especiarias como pimenta preta também estavam presentes e por fim aquele bacon característico da região!  
Na boca várias camadas de sabores! Boa estrutura, boa acidez e boa persistência. Um vinho harmônico, equilibrado e macio!
Para ser desfrutado agora ou nos próximos dois anos! E que deve ir muito bem com Terrine de pato... pelo menos eu acho... hehehe
Forte Abraço!

Vídeo Post!!! La Graviére Bellefond 2009

foto: www.vinhoparatodos.com

Na minha última visita ao amigo Gil Mesquita (Vinho Para Todos) levei 02 Bordeaux, um branco e outro tinto para degustarmos.  
Começamos com o branco, originário mais precisamente da sub região de Graves, é um corte de Sauvignon Blanc (60%) com Semillon (40%). Um vinho bem interessante, com presença marcante da Semillon, que deu ao vinho um caráter mais equilibrado e untuoso. 
Você sabe que eu gosto da rusticidade e vivacidade da Sauvignon Blanc, e, portanto, pode estar imaginando que eu fiquei desapontado com o vinho, de forma alguma! Foi uma bela experiência, que você pode curtir no descontraído vídeo abaixo! 
Aliás, beber um bom vinho sob a sombra das árvores, na tranquilidade de um sítio, e rodeado de amigos, faz a experiência ser inesquecível! Obrigado Gil & Erika! 
Forte Abraço! 


Advertência

O conteúdo deste blog é destinado a maiores de 18 anos. Seja responsável, se beber não dirija!