Degustando por Aí!!! Almaúnica


Na sequência da minha última visita a Serra Gaúcha visitei a Almaúnica com o amigo Tiago Bulla, Universo dos Vinhos. Fomos recebidos pelo espontâneo e competente Marcio Brandelli. 
Fizemos um rápido tour pela vinícola com Marcio e também rapidamente pudemos perceber a seriedade do projeto. Logo nos conduzimos a sala de degustação. Lá provamos 01 espumante e 03 tintos. 
O espumante foi o Nature, recém lançado. Perlage intenso, boa complexidade aromática, na boca bom corpo e cremosidade, gostaria que fosse um pouco mais persistente. 
Dos tintos gostei muito do Syrah 2011, um vinho com aromas de especiarias em destaque, ótimo corpo e boa acidez! Tem vocação gastronômica... 
Também passou pela minha taça o vinho premium da casa, o Quatro Castas (Merlot, Syrah, Malbec e Cabernet Sauvignon), um vinho de estilo moderno, marcado pela potência da fruta aliada a estrutura da madeira, tenho certeza que numa degustação as cegas teria ainda mais fãs. 
Por fim retornamos a sala de barricas e pudemos experimentar o Merlot 2012 direto da barrica, amostra que foi muito bem na Avaliação Nacional de Vinhos deste ano e que deve ser lançado durante a Copa de 2014.
Brandelli extraindo amostra do Merlot 2012

O vinho demonstrou muita força e rusticidade ainda, muita concentração como esperado, grande volume tânico ainda áspero. Me parece que com o descanso na madeira vai ganhar muita complexidade e será uma bela aquisição. 
A visita a Almaúnica é assim, objetiva e prazerosa!
Forte Abraço!

Degustando por Aí!!! Dal Pizzol


Num desses feriados que passou estive na Serra Gaúcha e aproveitei para dar um pulo no Vale dos Vinhedos e conhecer dois produtores nacionais, comecei pela Dal Pizzol! Fiz essa viagem com o amigo Tiago Bulla, Universo dos Vinhos.
Mais precisamente visitei o Parque Temático da Dal Pizzol, área de oito hectares destinada ao enoturismo. Por lá encontramos uma área verde e florida, com alguns lagos, muitas aves e que tem como destaque a bela sala do varejo, os espaços "Memória do Vinho" e o Vinhedo do Mundo.  

Comecemos por estes espaços que zelam pela história do vinho, espalhados pela propriedade encontramos vários equipamentos vitivinícolas antigos, todos com placas explicativas sobre os equipamentos, mas sería mais legal ver esta história toda, em uma visita guiada, para a Dal Pizzol pensar... 

O Vinhedo do Mundo conta com o apoio da Embrapa e da Gerdau e apresenta uvas de 23 países onde com atenção podemos notar diferenças no tamanho das folhas, na quantidade de cachos, o que pode nos dar uma noção da produtividade de cada variedade, mas com certeza é divertido conhecer algumas variedades de nomes mais exóticos. 

No varejo experimentamos muitos vinhos, para mim houveram 03 destaques, o Cabernet Franc DO Lugar 2011, vinho de corpo médio, frutado e agradável, fácil de beber e que na minha opinião pode acompanhar qualquer refeição. 
O Espumante Dal Pizzol Brut Tradicional é excelente, tem ótima acidez, corpo médio, aromas de frutas cítricas maduras, cogumelos e notas de fermentação. Na boca forma uma bela mousse e tem final pronunciado. 
Me chamou a atenção ainda o Dal Pizzol Tannat 2008, vinho de cor e aromas intensos de frutas vermelhas e negras maduras, grande volume em boca, com taninos macios e boa persistência. Ótima compra! 
Forte Abraço!

Celebrando com Cor 2008


Ganhei esta garrafa num sorteio quando participei de uma degustação promovida pela amigo Gustavo do Enoleigos. Ficou algum tempo na minha adega e finalmente o provei num almoço de domingo com a família. 
Foi uma excelente surpresa! Realmente o vinho honra seu rótulo e contra-rótulo que convida o consumidor a celebrar a vida com arte e de forma descontraída. 
Demostrou maturidade com sua cor rubi vibrante sem reflexos, aromas de especiarias marcantes como pimenta preta, canela e cravo. As frutas vermelhas estavam maduras mas bem discretas. Na boca corpo médio, boa acidez, taninos finos e macios e razoável persistência. Enfim, um vinho simples e agradável! Foi muito bem com macarronada ao sugo e porpetas. 
E não é coincidência ser mais um vinho brasileiro bem feito a partir do corte de Merlot e Cabernet Sauvignon, para os produtores nacionais pensarem... 
Por fim, uma opinião, eu não concordo com essa história que a uva emblemática do Brasil é a Merlot, prefiro muito mais os cortes nacionais com uvas de origem bordalesa, normalmente tem maior equilíbrio e também maior longevidade. 
Forte Abraço!

É nesse Sábado!!! Encontro de Vinhos Curitiba


Meus amigos, é sempre um prazer poder participar de um evento de vinhos, seja ele uma feira, degustação ou jantar harmonizado. Mas quando este evento acontece na sua (no caso, minha) cidade natal participar se torna um privilégio! 
E assim será neste sábado! Estarei visitando Curitiba, revendo meus familiares e participando do último Encontro de Vinhos do ano, o primeiro que acontece em Curitiba. Para os amigos curitibanos posso dizer que esta feira é descontraída recheada de bons produtores e importadoras surpreendentes. 
O evento ocorrerá no tradicional Hotel Bourbon, das 14hs as 22hs, os convites saem por R$ 60, quem sabe não nos encontramos por lá? 
Forte abraço!

Pizzorno Reserva Sauvigon Blanc 2011


Trouxe esse vinho na mala quando visitei o Uruguai em março. Comprei diretamente na vinícola, numa manhã agradável que passei com Carlos Pizzorno e o amigo Alexandre Frias
Quando o experimentei naquela manhã tive duas surpresas, a primeira que 30% do vinho passa por barricas francesas novas e a segunda foi uma certa untuosidade na boca, provavelmente oriunda deste estágio em madeira. 
Bom, estava eu a preparar algumas lulas recheadas quando decidi por abrir este vinho, e as sensações se repetiram! Amarelo palha com leve reflexo esverdeado, aromas de frutas cítricas maduras como maçã verde e maracujá além de algumas notas herbáceas. 
Na boca boa presença e equilíbrio. Boa acidez, corpo médio, suave untuosidade e persistência. Casou bem com as lulas recheadas com palmito e camarões. 
No Brasil é comercializado pela Grand Cru por R$ 65.
Forte Abraço!

Salvaguarda cai! Bom para o Consumidor?

Aconteceu! Enfim a Salvaguarda caiu, o que sem dúvida é uma boa notícia para o bolso do enófilo apaixonado como eu e você, meu amigo (a). Mas admito que fiquei com algumas dúvidas... estou um tanto cético! 
Me perdoem os amigos e otimistas, mas eu fiquei um pouco incomodado com a notícia que todo o empresariado ligado a comercialização do vinho fez um acordo de cooperação para que fosse retirado o pedido de Salvaguarda. 
O objetivo deste acordo é dobrar a venda de vinhos finos brasileiros em 04 anos. Sairíamos de 19 milhões de litros para 40 milhões!!! É um baita esforço, hein!!!
Espero que seja um sucesso, pelo bem de todos, mas desconfio! Não me pareceu um acordo natural, digamos assim... e já dizia minha avó: "o que nasce errado, termina errado". 
Espero estar equivocado, mas se esses números não forem alcançados tenho a impressão que nós enófilos voltaremos a falar em protecionismo no mercado do vinho. Portanto prefiro aguardar mais um tempo para cravar que esta notícia é boa para o consumidor!
Segue comunicado da Ibravin na íntegra! 
Compromisso assumido entre as partes é de aumentar o consumo per capita de 1,9 para 2,5 litros até 2016. Em conjunto, todos os elos da cadeia terão como meta ampliar venda de vinhos finos brasileiros de 19 para 40 milhões de litros em quatro anos. 
Acordo de cooperação entre os produtores de vinhos brasileiros e as principais associações de importadores, formalizado na última sexta-feira (19), em Brasília, no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), estabelece medidas para o crescimento do mercado de vinhos finos no Brasil bem como a ampliação do volume de produtos nacionais. O anúncio oficial foi feito nesta segunda-feira (22), em entrevista coletiva na sede da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), em São Paulo. A Abras, a Associação Brasileira de Bebidas (Abrabe) e a Associação Brasileira dos Exportadores e Importadores de Alimentos e Bebidas (Abba), em conjunto com as entidades vitivinícolas brasileiras, estabeleceram diversas metas que serão desenvolvidas e acompanhadas por um grupo de trabalho formado por profissionais das entidades. 
O acordo prevê a cooperação entre as partes para ampliação do consumo, redução dos tributos incidentes sobre o vinho, bem como apoio para os pedidos do setor de securitização das dívidas agrícolas e redução dos estoques de produtos vitivinícolas. Mas as partes também assumem compromissos pontuais. As associações representativas dos importadores de vinhos comprometem-se a buscar a ampliação para 25% da presença de vinhos finos brasileiros nas redes dos supermercados e para 15% nos demais estabelecimentos varejistas por meio de parcerias entre importadores e vinícolas nacionais. O objetivo destas ações é buscar a comercialização de 27 milhões de litros de vinhos finos brasileiros em 2013 crescendo paulatinamente até atingir 40 milhões de litros em 2016. 
Já o Ibravin e as entidades vitivinícolas representantes dos produtores brasileiros comunicaram ao governo a retirada do pedido de Salvaguarda que estava em análise no Departamento de Defesa Comercial (DECOM/MDIC) e comprometem-se a cessar quaisquer ações que visem à criação de barreiras tarifárias e/ou não tarifárias à importação de vinhos finos e ainda a manter os investimentos em marketing, qualificação da produção e aumento da competitividade que estavam previstos no Plano de Ajustes do processo de Salvaguarda. 
Da parte do setor de supermercados, o compromisso é de trabalhar para a ampliação do espaço de exposição e promoção dos vinhos finos nacionais nas lojas. 
O presidente do Conselho Deliberativo do Ibravin, Alceu Dalle Molle, considera este acordo de cooperação “um avanço importante em prol do desenvolvimento do mercado de vinhos no Brasil, que vai possibilitar um crescimento sustentável da produção brasileira de vinhos finos”. 
Para o presidente da Abras, Sussumu Honda, quem sai ganhando com o acordo é o consumidor. “O consumidor brasileiro está cada vez mais apreciando bons vinhos, nacionais e importados. O bom sortimento de produtos nas gôndolas é essencial e esse acordo vem para dar ainda mais vitalidade a essa escolha, sem restrição. Vamos promover nossa indústria, ampliar sua competitividade, mas garantindo o melhor mix nacional e internacional de vinhos nos supermercados.”

Château Pontet Barrail 2009

foto: www.vinhoparatodos.com
Esse foi o outro Bordeaux que levei na visita que fiz ao amigo Gil Mesquita (Vinho Para Todos). Trata-se de um vinho do Médoc, corte de Cabernet Sauvignon e Merlot, que teve dois momentos enquanto o bebíamos. 
O primeiro foi um tanto frustrante... logo que servi o vinho o álcool predominou na taça! Principalmente nos aromas mas também ao paladar. Com isso decidi decantar o restante da garrafa e acertei em cheio! 
A oxigenação fez muito bem ao vinho que verdadeiramente era outro na taça! Aromas de frutas negras maduras, cassis, jabuticaba, etc, especiarias como pimenta preta também estavam presentes e por fim aquele bacon característico da região!  
Na boca várias camadas de sabores! Boa estrutura, boa acidez e boa persistência. Um vinho harmônico, equilibrado e macio!
Para ser desfrutado agora ou nos próximos dois anos! E que deve ir muito bem com Terrine de pato... pelo menos eu acho... hehehe
Forte Abraço!

Vídeo Post!!! La Graviére Bellefond 2009

foto: www.vinhoparatodos.com

Na minha última visita ao amigo Gil Mesquita (Vinho Para Todos) levei 02 Bordeaux, um branco e outro tinto para degustarmos.  
Começamos com o branco, originário mais precisamente da sub região de Graves, é um corte de Sauvignon Blanc (60%) com Semillon (40%). Um vinho bem interessante, com presença marcante da Semillon, que deu ao vinho um caráter mais equilibrado e untuoso. 
Você sabe que eu gosto da rusticidade e vivacidade da Sauvignon Blanc, e, portanto, pode estar imaginando que eu fiquei desapontado com o vinho, de forma alguma! Foi uma bela experiência, que você pode curtir no descontraído vídeo abaixo! 
Aliás, beber um bom vinho sob a sombra das árvores, na tranquilidade de um sítio, e rodeado de amigos, faz a experiência ser inesquecível! Obrigado Gil & Erika! 
Forte Abraço! 


Valmarino Prosecco Brut 2011 #cbe


O tema deste mês foi escolhido pelo amigo Tiago Bulla, Universo dos Vinhos, nas palavras dele: "Amigos, aproveitando a chegada do calor e da primavera sugiro apreciarmos um refrescante espumante Prosecco." 
Bom, eu e minha esposa aproveitamos também para celebrar o retorno da chuva! Que aconteceu no último dia 19, pelo menos aqui em Jundiaí! Com uma mesa cheia de torradas e patês diversos abrimos este espumante, o prosecco é, digamos, tradicional para os brasileiros, mesmo os que não curtem muito vinho já beberam muitas taças de prosecco. 
Este da Valmarino sai por R$ 25 (site da vinícola) e é leve, delicado e agradável. Praticamente incolor, branco mesmo, sem reflexos amarelos ou verdes ainda, apresentou um perlage de intensidade ímpar, com bolhas finas e persistentes. 
Os aromas são de média intensidade e remeteram a guaraná e frutas cítricas, algum nuance floral. Na boca apresentou leveza, frescor e razoável cremosidade, porém foi fugaz, baixa persistência. Mesmo assim acredito que combina com verão, piscina, etc e tal. 
Forte Abraço!

Advertência

O conteúdo deste blog é destinado a maiores de 18 anos. Seja responsável, se beber não dirija!